The Economy of Francesco

os jovens, um pacto, o futuro

logo ef

os jovens, um pacto, o futuro

EVENTOS INTERNACIONAIS

22-24 de Setembro de 2022 - Assis

22-24 de Setembro de 2022, Assis

"The Economy of Francesco"

os jovens, um pacto, o futuro

Última hora:

publicada hoje a carta com a qual o Papa Francisco convoca jovens economistas, empresários e empresárias, em Assis para propor um pacto para uma nova economia. A economia de comunhão participa da Comissão Organizadora do evento em conjunto com a diocese e o Município de Assis e o Instituto Serafico.

0

#EoF - A Economia de Francisco e o CO2: é assim que darei sentido à minha vida

#EoF: histórias - A história de Valentina Rotondi, pesquisadora em Oxford e em SUPSI, uma das coordenadoras da Economia de Francesco

por Valentina Rotondi

fonte: Famiglia Cristiana

Apresento-me, sou uma pesquisadora, formada em economia, mas com um forte espírito interdisciplinar. Na pesquisa, como na vida, gosto de ouvir e deixar mais espaço para perguntas do que para respostas. Atualmente trabalho em tempo parcial na SUPSI em Lugano (Universidade de Ciências Aplicadas do Sul da Suíça) e no Centro Leverhulme de Ciências Demográficas da Universidade de Oxford. Sou esposa de Leonardo e mãe de Giovanni e Caterina. Tenho 34 anos de idade. Como muitos e muitas jovens, muitas vezes me perguntei onde realizar a minha vocação na vida. Minha formação de escoteira sempre me guiou nisto: uma vida sem serviço é uma vida pela metade. Isto ficou claro para mim desde a minha infância. Mas a pergunta que muitas vezes me manteve acordada à noite durante a minha adolescência era: como? Hoje posso dizer que o meu trabalho como pesquisadora é parte integrante da minha vocação. Trabalhar por uma economia e uma sociedade mais inclusiva, que não deixe ninguém para trás, que esteja atenta à dimensão local e que não esqueça o mundo e especialmente os mais pobres. Esta é também uma vocação recebida por graça e não por mérito. Tive a sorte de coordenar, junto com Luca Crivelli, Carlo Giardinetti e muitos outros, a aldeia das desigualdades de CO2 para a Economia de Francesco.

Quando vi o site da Economia de Francisco pela primeira vez e li a carta que o Papa nos dirigiu a nós, jovens economistas, empresários/empresárias e changes makers, aquela faísca em meu coração se acendeu de repente. Eu estava esperando há muito tempo por este momento, por este evento. O chamado de Francisco foi realmente uma inspiração. O Papa estava nos pedindo para nos colocarmos a serviço, para oferecer nossas habilidades. Por fim, as duas almas, os dois caminhos que haviam sido paralelos em minha vida até aquele momento, se uniram: tive a oportunidade de oferecer minhas habilidades, minhas pesquisas, minhas perguntas e até mesmo aquelas poucas respostas para algo que realmente valia a pena. Enviei imediatamente o pedido. Eu me lembro de escrever a carta de um parque frio de Oxford. Então liguei para o meu marido e lhe disse: "o Papa quer conhecer jovens economistas". Sua resposta foi tão radical que eu sabia que era a hora certa: «Quando você vai?». Após algumas semanas, recebi um convite do comitê central: eles me pediram para ajudar no processo de "criação da Economia de Francisco". Entendi naquele instante que o que eu pensava ser um evento era muito mais do que isso: era um processo no qual nada havia sido escrito ainda, no qual ao invés de acrescentar conteúdo era necessário removê-lo, para chegar à parte mais profunda das coisas, a fim de garantir que nada fosse tomado como óbvio.

O Papa queria realmente ouvir os jovens e as jovens, e eles eram o centro de tudo. Durante meses pensamos em como fazer isso acontecer. Não foi fácil, inclusive dada a inesperada pandemia global que todos nós conhecemos, mas foi extremamente enriquecedor.  Valentina RotondiEoFA economia de Francesco não é e nunca será uma conferência. A EoF foi e será um processo que nos permitiu tecer relacionamentos, imaginar novos paradigmas, colocar no centro de nossa experiência como jovens profissionais a vida de milhões de pessoas ao redor do mundo que ainda vivem à margem de uma sociedade que muitas vezes os esqueceu. Seus rostos, suas histórias, seu futuro, são a razão pela qual a Economia de Francesco nunca será um fato consumado.  A "aldeia", ou melhor, a comissão de aprofundamento de uma das questões que originalmente me acolheram, deveria ser acolhida pelo Instituto Serafico em Assis: uma aldeia sobre a desigualdade em um lugar onde a desigualdade é tão grande que traz lágrimas (de dor, mas também de esperança) aos olhos. Seu título, "CO2 das desigualdades", expressa bem a tensão subjacente ao tema. Não faz sentido pensar na natureza sem dióxido de carbono. O dióxido de carbono é parte da vida, um ingrediente natural da fotossíntese, um subproduto de nossa própria respiração e combustão. Portanto, o dióxido de carbono não é uma coisa ruim em si, desde que o ecossistema seja capaz de administrá-lo e mantê-lo em 'equilíbrio'.

Mas quando o dióxido de carbono excede um determinado limite, quando se torna um desperdício, torna-se insustentável e representa uma ameaça real para o planeta. Esta metáfora tem estado no centro de nosso pensamento nos últimos meses. A diversidade é um recurso muito importante, não apenas na natureza, mas também na sociedade. Não apenas muitas diferenças não devem ser evitadas, mas podem até mesmo ser consideradas um bem e um estímulo para o desenvolvimento com um rosto humano, incentivando o fenômeno conhecido como "mobilidade social". Entretanto, se as desigualdades ultrapassam um certo limite, a mobilidade social se torna uma quimera, um sonho irrealizável, e o funcionamento do sistema social e econômico (como argumentou Piketty) entra em uma crise profunda. É importante, portanto, e antes de tudo, distinguir diferenças e desigualdades, reconhecer que deixamos o universo das diferenças e caímos no inferno das desigualdades quando as múltiplas disparidades materiais, relacionais, simbólicas e biológicas que constituem a maior riqueza que a humanidade tem, se tornam objeto de avaliação social. Se isto for verdade, então devemos também aprender a redimensionar as nossas escalas de valores e os nossos princípios (incluindo os linguísticos). Tentemos por um momento pensar em nossas próprias vidas: que peso tem nosso compromisso e perseverança para determinar o que somos hoje, e que peso tem a sorte e as condições estruturais jogadas para determiná-lo? Que mérito temos em nascer em um determinado lugar do mundo, em um determinado momento e em uma determinada família? Robert Frank demonstrou recentemente que a sorte desempenha um papel muito maior do que os economistas tendem a pensar. Este primeiro passo é importante, mas ainda não é suficiente. Devemos aprender ainda a reconhecer as diferentes formas de desigualdade, que estão tão interligadas e interdependentes que é muito difícil determinar qual é a causa e qual é o efeito.

Não apenas as desigualdades de renda pesam em nossas vidas, mas também as desigualdades de bens capitais, como a saúde, o patrimônio genético, o capital humano, o acesso a novas tecnologias e recursos ambientais, e as oportunidades ligadas ao gênero e à etnia. Por fim, precisamos pensar em uma economia e em uma sociedade que, como argumenta Kate Raworth, seja regenerativa e inclusiva por projeto (e não ex-post) e que não produza nenhuma vítima, nenhum desperdício, que não esqueça ninguém. Um primeiro ponto de partida para fazer isso é perceber que se considerássemos, por exemplo, certos aspectos ligados não apenas à renda, mas também ao consumo ambiental e ao florescimento humano (por exemplo, as relações e a gratuidade), todos os países do mundo se tornariam "países em desenvolvimento": não haveria mais distinção entre países "desenvolvidos" e países que ficariam para trás. Todos nós seríamos subitamente catapultados para uma realidade na qual todos nós temos que recomeçar do início, de voltar para o começo, como no jogo do Monopólio. Isto significa repensar as nossas vidas, a partir das nossas escolhas cotidianas e, de forma mais ampla, compreender que, como o ganhador do Prêmio Nobel Amartya Sen tem enfatizado repetidamente, o que realmente conta, e no que é certo investir mesmo quantidades desproporcionais de recursos, abrindo espaço para inovações tecnológicas, científicas e sociais, é garantir que cada pessoa seja capaz de desempenhar suas funções de forma eficaz e seja livre para perseguir os seus próprios planos de vida com dignidade, respeitando as diferenças e evitando, na medida do possível, todas as formas de desigualdade.

Image

vá para O ARQUIVO

Lìngua: PORTUGUÊS

Filtrar por Categorias

Siga-nos:

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 323 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2024 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - edc@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.