The Economy of Francesco

os jovens, um pacto, o futuro

logo ef

os jovens, um pacto, o futuro

EVENTOS INTERNACIONAIS

22-24 de Setembro de 2022 - Assis

22-24 de Setembro de 2022, Assis

"The Economy of Francesco"

os jovens, um pacto, o futuro

Última hora:

publicada hoje a carta com a qual o Papa Francisco convoca jovens economistas, empresários e empresárias, em Assis para propor um pacto para uma nova economia. A economia de comunhão participa da Comissão Organizadora do evento em conjunto com a diocese e o Município de Assis e o Instituto Serafico.

0

Bruni. «Em Assis, a Expo de Francisco. A economia do Papa criou raízes».

Luigino Bruni, diretor científico da EoF, apresenta o evento do dia 02 de outubro com encontros virtuais entre empresários e empresárias, estudiosos e estudiosas, entre as e os jovens. E propõe um novo modelo de negócio «vegetal».

por Lucia Capuzzi

publicado no site Avvenire em 24/09/2021

Há quinhentos milhões de anos, elas fizeram uma escolha irrevogável: elas pararam. Criaram raízes, e não em um sentido metafórico. Ancoradas no chão, não podiam escapar dos ataques de predadores ou das chicotadas de catástrofes ambientais. As plantas, entretanto, fizeram desta aparente fragilidade a sua força. Imóveis e dóceis, elas tomaram os golpes de outros seres vivos. Em vez de sucumbir, elas aprenderam a resistir. E a sobreviver mesmo quando 80% de seus corpos foram devorados pela fúria dos seres humanos ou pela natureza. É por isso que os seres vegetais têm muito a ensinar aos animais, incluindo humanos e mulheres. E a tudo o que foi modelado nelas. Começando com a economia.

Esta é a convicção de Luigino Bruni, economista da Universidade Lumsa e ensaísta, um dos pais da economia de comunhão e diretor científico de «A Economia de Francisco». O grande movimento de jovens empenhados e empenhadas em construir uma outra possível economia - convocado pelo Papa Francisco - reunirá virtualmente no dia 02 de outubro, pela segunda vez, empresários e empresárias, estudiosos e estudiosas dos cinco continentes. Conjugando local e global, enraizamento e abertura, mais de quarenta cidades ao redor do mundo abrigarão uma iniciativa em seu território. Em antecipação ao grande encontro com a presença do Papa em 2022, todos e todas se conectarão via streaming ao vivo com o Palazzo del Monte Frumentario em Assis para ouvir os discursos de figuras de renome internacional, incluindo Vandana Shiva, Jennifer Nedelsky, Partha Dasgupta, Sabina Alkine e Jeffrey Sachs. Para concluir a iniciativa, antes da tão esperada mensagem do Papa, um diálogo com Stefano Mancuso, diretor do Laboratório de Neurobiologia Vegetal de Florença, um dos pioneiros da chamada «economia vegetal». 

O que significa este termo e como ele pode contribuir para a construção de um novo paradigma econômico?

A economia capitalista, inspirada no modelo nórdico e nos Estados Unidos nos séculos XIX e XX, foi baseada no modelo animal: uma forte divisão funcional do trabalho e uma ordem hierárquica. Esse tipo de organização permitiu que as empresas se movimentassem rapidamente em busca de novas oportunidades e recursos. Também lhes deu grande adaptabilidade diante de estímulos externos. Elas se tornaram desta forma organizações mais bem sucedida, as grandes vencedoras no desafio evolutivo de nossos tempos hiper-rápidos, especialmente quando comparados com as comunidades civis e políticas muito mais lentas, democráticas e ancoradas territorialmente. No novo milênio, a irrupção no cenário da Internet, como uma espécie de meteorito, mudou o 'clima' e, de repente, surgiram empresas que se parecem muito com plantas, como nos lembra a própria metáfora da rede e da teia de aranha. Para mover-se efetivamente neste novo habitat, portanto, a empresa deve reverter o modelo hierárquico-funcional.

De que forma?

Ativando todas as células do "corpo empresarial", assim como as plantas que respiram, lembram, escutam, falam com a totalidade do seu próprio ser. Se o centro vital reside em um só órgão, basta atingir este para matar o organismo inteiro. Descentralizar, disseminar funções por toda a estrutura social é a chave para a resistência e a resiliência das plantas. Nossas cooperativas compreenderam isso: sua força reside em ter desenvolvido uma distribuição de funções por todo o corpo, renunciando a um rígido controle hierárquico. Os atores capazes de habitar com sucesso o "tempo dos arranhas céus" serão, portanto, organizações cada vez mais difusas e horizontais, não apenas na gestão, mas também nos direitos de propriedade e na distribuição de riqueza. Até começarmos a pensar em novas formas de propriedade difusa, imitaremos as plantas pelos predadores remanescentes.

O grande entusiasmo desencadeado pela " A Economia de Francisco" também está contribuindo para esta mudança. Entre outras coisas, o evento deste ano pode ser descrito através da metáfora vegetal: tempo de colheita. O que isso significa?

Por iniciativa do Papa Francisco, foi iniciado um processo sem precedentes, inclusive nos dois anos mais difíceis desde o período pós-guerra devido à pandemia. E, único no momento, foi criado um movimento econômico global formado por jovens. Se no ano passado foi a época da semeadura, agora podemos colher os frutos das muitas experiências concretas que surgiram: empresas, vertentes de pesquisa, teses. O dia 2 de outubro será a "Expo de Francisco", uma exposição de como a nova economia já está em andamento, apesar do pessimismo prevalecente.

Que contribuição pode e está fazendo "A Economia de Francisco" para uma nova economia?

O horizonte do princípio franciscano por excelência: a fraternidade. Uma partilha não só de dinheiro, mas também de energias, talentos e projetos.

Qual é a sua esperança para esta edição de "A Economia de Francisco" enquanto aguarda o grande encontro com o Papa em 2022?

Espero que seja uma festa. Uma celebração das e dos jovens que são os verdadeiros protagonistas deste movimento. O Papa frequentemente repete que o importante não é ocupar espaços, mas iniciar processos. Ninguém é capaz de fazer isso como as e os jovens, porque o grande recurso deles é o tempo: o presente e o futuro. Para crescer, porém, os processos não devem ter patrões. Por esta razão, "A Economia de Francesco" não tem uma "linha" rígida nem um modelo pré-estabelecido: ela recolhe e inclui o maior número possível de experiências. Seus únicos líderes de referência são dois franciscanos: o pobre de Assis e o pontífice que chegou dos confins do mundo.

Créditos Foto: Cristian Gennari/Siciliani

Image

vá para O ARQUIVO

Lìngua: PORTUGUÊS

Filtrar por Categorias

Siga-nos:

10-06-2021

Editoriais – Os valores resgatados das multinacionais para vacinas, famintos e empobrecidos por...

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 302 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - edc@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.