0

Pasolini, o profeta-sentinela e o culto imperial do consumo

Editoriais - No centenário de seu nascimento, resgatamos o legado do artista que soube apontar a idolatria de nosso tempo

por Luigino Bruni

publicado no site Avvenire em 05/03/2022

Os poetas são os guardiões das palavras - de suas palavras, das nossas palavras de hoje, das palavras de amanhã. É por isso que eles são muito parecidos com os profetas bíblicos, sentinelas - shomerim - de uma palavra diferente, que protegem para que nossas palavras não se tornem todas vanitas, sopro, vento, fumaça, tagarelice. Não podemos entender a crítica radical de Pier Paolo Pasolini ao capitalismo e ao consumo sem começar com a sua reflexão sobre a língua. Ele a via escravizada ao poder do consumo, transformada em uma linguagem que havia perdido o contato com as coisas concretas, vivas e, portanto, com a alma do povo e das pessoas. O destino da língua lhe revelou o destino da cultura italiana - e se ele tivesse sido capaz de olhar para o mundo um pouco mais ele teria lido o destino do Ocidente também, porque era e é o mesmo declínio. Ambos estavam se afastando, a Itália e a língua, de algo pobre, duro, severo, mas verdadeiro, de um mundo que era "puramente humano, calorosamente humano" (Le ceneri di Gramsci, p. 45), e se aproximando de um novo mundo que era menos pobre, duro, severo, mas que estava se tornando menos verdadeiro a cada dia. O discurso de Pasolini sobre a língua está dentro de sua busca vital por uma base não falsa, uma origem, uma pedra angular da existência que a impediria de afundar no nada.

Meu avô Domenico, um fazendeiro e cortador de pedra na pedreira de travertino , costumava nos encantar a todos com as palavras de sua língua materna, quando falava em seu dialeto Ascolan. Com aquele léxico arcaico ele fez falar suas emoções mais profundas, chamou a sua vida e a vida dos outros pelo nome, ele viveu entre as coisas e soube nomeá-las. Dor, amor, piedade, Deus e os demônios lhe responderam e ele os compreendeu; e com eles estabeleceu um diálogo intenso e verdadeiro todos os dias - a primeira e a última oração só são bem recitadas em dialeto. Mas assim que ele teve que falar em italiano, sua língua se tornou prejudicada, tornou-se inseguro e embaraçoso, envergonhado, menos bonito e perdeu sua dignidade. Com o passar do tempo, a memória viva desta forma de violência parece cada vez mais injusta e errada, sua memória me faz sofrer. E finalmente entendo Pasolini: «Quando todos os camponeses e todos os artesãos estiverem mortos... então nossa história terá terminado» (do filme La rabbia, 1963). E talvez eu também entenda suas críticas ao capitalismo: «o italiano se tornou a língua das empresas, do mercado» (Entrevistas com a Córsega, p. 216) - quem sabe o que ele diria sobre o falso inglês que tomou o lugar daquele italiano? Entendo seu elogio ao trabalho artesanal, que é o oposto da nostalgia: é um grito para salvar as coisas e sua verdade, porque ao retirar as mãos humanas das coisas, elas são manipuladas por uma ideologia sem carne e sangue. O artesão e o dialeto não são, na opinião de Pasolini, uma era dourada perdida a lamentar, mas uma terra prometida ainda a ser alcançada. A TV torna-se o primeiro agente da 'instrumentalização' da língua (Heretical Empiricism, p. 19), porque «é através do espírito da televisão que o espírito do novo poder se manifesta concretamente» (Scritti corsari, p. 24). 

A crítica de Pasolini ao capitalismo (e portanto à modernidade) não é menor e profunda do que as grandes críticas de Walter Benjamin, Pavel Florensky, Ernesto de Martino ou Gramsci e Marx. Porque Pasolini entende que o capitalismo se abre e se deixa decifrar se o lemos como um fato antropológico e teológico e não apenas como economia. Em particular, Pasolini percebeu que o ponto decisivo da cultura capitalista havia ocorrido com a chegada do consumo de massa. Enquanto o capitalismo permaneceu centrado na empresa e no trabalho, o espírito italiano, católico, comunitário e mediterrâneo não havia sido encantado e capturado por ele. Porque abaixo dos Alpes, o trabalho sempre foi acima de tudo uma labuta e trabalho, não uma vocação (beruf), muito menos uma bênção e eleição divina. As pessoas trabalhavam por destino, porque tinham que trabalhar, comer, dar a seus filhos uma vida melhor, e se pudessem sobreviver sem trabalhar, muito melhor. A mudança epocal ocorreu na segunda metade do século XX, quando o eixo do capitalismo passou da produção para o consumo, uma mudança que conquistou rápida e completamente a Itália (e os países católicos).

Para uma civilização católica centrada na "cultura da vergonha" (não na "cultura da culpa", protestante), na ostentação das coisas, em uma riqueza que só vale a pena se outros a virem e a invejarem, o capitalismo da labuta e da fábrica era pouco atraente: mas o capitalismo dos bens e do consumo tornou-se uma tentação irresistível. Assim, comprou imediatamente corpos e almas muito mais profundamente do que as grandes ideologias fascistas, católicas, democráticas ou comunistas, que «apenas pagavam o serviço labial» (Scritti corsari, p. 22). Aqui reside o "ponto de viragem antropológico" do consumismo, que também é um ponto de viragem teológico. Muito do gênio profético de Pasolini reside em sua compreensão desta natureza religiosa do capitalismo, em seu «ódio teológico ao consumismo italiano» (Luteran Letters, p. 195). Os consumidores são «devotos dos fetiches» (Ibid., p. 34), em um novo Império que finalmente reuniu o povo e a burguesia: «As duas histórias se uniram: e é a primeira vez que isso acontece na história humana» (Ibid., p. 24). Um capitalismo religioso, mas, como disse Benjamin, uma nova religião sem metafísica e dogmas, uma religião de culto puro (Capitalismo como Religião, 1922). Culto, portanto cultura, como escreveu o filósofo e teólogo russo Florensky em 1922: «A mesma teoria do sagrado diz que na origem da economia, assim como da ideologia, existe o culto» (La concezione cristiana del mondo, p. 124). Também para Pasolini, o culto é decisivo: «A conformidade com este modelo [consumista] ocorre antes de tudo na vida, na existência: portanto no corpo e no comportamento» (Scritti corsari, p. 53).

Hoje vemos claramente que a força extraordinária e sem precedentes da civilização de consumo reside precisamente em ser um culto diário e global, sem sábado nem domingo, uma praxe contínua que informa cada dimensão da vida individual e coletiva, algo semelhante ao que aconteceu com a religião cristã na Europa pré-moderna. Os críticos do capitalismo escrevem livros e dão palestras, nós nos iludimos de que podemos mudar o mundo escrevendo, enquanto os padres do novo culto celebram liturgias em todos os momentos do dia: «Agora o cristianismo se tornou um concorrente daquele fenômeno cultural 'homologador' que é o hedonismo em massa: e, como concorrente, o novo poder já começou a liquidá-lo há alguns anos» (Ibid, p. 23). Uma nova religião secular sem metafísica, que unia tudo e todos, fascistas e anti-fascistas, católicos e comunistas, crentes e ateus, sem «nenhuma diferença apreciável» (Ibid., p. 42), todos adoradores dos mesmos totens. A crítica de Pasolini ao capitalismo deve ter sido levada muito a sério, especialmente pela Igreja que, enquanto lutava suas batalhas pela ética familiar e contra o comunismo, não percebeu que um novo império pagão estava ocupando o coração das pessoas sem encontrar nenhuma resistência ética.

Os poetas e os profetas protegem as nossas almas, conservando as palavras. Eles são sentinelas estacionadas nos portões dos santuários dos ídolos e fazem tudo o que podem para nos impedir de entrar. Eles sabem muito bem que não serão capazes, mas permanecem fiéis em seu lugar de vigilância.

Image

vá para O ARQUIVO

Lìngua: PORTUGUÊS

Filtrar por Categorias

Siga-nos:

10-06-2021

Editoriais – Os valores resgatados das multinacionais para vacinas, famintos e empobrecidos por...

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 474 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - edc@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.