0

A lógica do penhasco

A ecologia deve ser incluída na economia, naquela economia ecológica integral que é a grande mensagem da encíclica «Laudato si'».

por Luigino Bruni

publicado no site Messaggero di Sant'Antonio em 11/08/2021

O tema econômico do momento é a transição ecológica. Mas os sinais são ambíguos. Em vez de colocar uma pessoa com uma forte e clara sensibilidade ecológica no Ministério da Economia, colocamos um homem do Banco da Itália e das finanças, e depois colocamos outro homem-masculino para a transição ecológica - que, a propósito, vem da nossa maior empresa pública de armas. Assim, a "lógica dos tempos" continua, o que nos trouxe às condições ecológicas que todos nós vemos. Esta lógica dicotômica faz com que a economia e as finanças atuem de acordo com as suas próprias regras (ou seja, anistias fiscais, o renascimento do jogo, etc.) e paralelamente o Ministro de Transição oriente para a ecologia a economia, que é concebida e conduzida sem ser ecológica no início. Sabemos, no entanto, que se a economia não é «imediatamente» e desde o início ecológica, ela se torna imediatamente deseconomia. A ecologia deve ser inserida na economia, naquela economia ecológica integral que é a grande mensagem da Laudato si'.

Também os bilhões que estão chegando da Europa são ambíguos. Eles não apenas não garantem uma solução para os nossos problemas, como também podem representar um novo problema. O influxo de dinheiro significa um aumento da dívida pública, já que boa parte desses bilhões são empréstimos, com melhores e boas condições, mas ainda assim dívida, que se soma à dívida atual (que aumentou nos últimos dois anos). E assim continuamos a despejar nossos problemas no futuro, como no passado recente. Chamamos isso de Operação Next Generation EU, mas por enquanto estamos deixando a próxima geração com enormes dívidas. É por isso que um fundo de riqueza deveria ser uma política complementar aos empréstimos de ajuda da Europa e ao aumento da dívida interna. Porque quando vivemos crises enormes como esta da Covid, não é ético transferir as consequências dos custos extraordinários para os filhos. Se somos uma comunidade, quando a casa queima ou desmorona, aqueles que vivem naquela casa, e têm os recursos para fazê-lo, devem usá-los para o «bem comum».

Esse é o chamado  princípio de subsidiariedade, que diz que antes de pedir ajuda à Europa, nós, como país, devemos assumir a responsabilidade aqui e agora de encontrar os recursos e reparar a casa que está caindo em ruínas. Pois se este gasto é feito com dívidas, não apenas repassamos nossos custos aos jovens, mas também fazemos com que os mais pobres paguem a conta. Nós tributamos os que não são ricos. Porque a tributação geral é coberta pela tributação geral, o que significa com o trabalho dos funcionários e das classes baixa e média, porque é bem conhecido o quanto os empresários, os freelancers e os verdadeiramente ricos pagam: reparar os danos extraordinários com os impostos comuns significa pedir aos pobres que paguem pelo reparo das casas dos ricos, e fazer com que as próximas gerações e as classes baixas paguem a conta por nossas tragédias. Uma profunda injustiça, que se repete há séculos no silêncio da mídia, porque quem escreve e aprova leis são os mesmos que detêm as rédeas da grande opinião pública.

Tudo isso, e muito mais, foi discutido no dia nacional da Slotmob em 10 de julho contra os jogo de azar (francescoeconomy.org), e depois (será discutido) no Festival de Economia Civil (www.festivalnazionaleeconomiacivile.it) em Florença (Palazzo Vecchio) de 24 a 26 de setembro. Continuar a pensar na economia em profundidade, para que o mundo não continue a sofrer muito «por falta de reflexão».

Creditos Foto: © Giuliano Dinon / Arquivo MSA

Image

vá para O ARQUIVO

Lìngua: PORTUGUÊS

Filtrar por Categorias

Siga-nos:

10-06-2021

Editoriais – Os valores resgatados das multinacionais para vacinas, famintos e empobrecidos por...

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 587 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - edc@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.