0

O dinheiro e o cuidado

A partir da revolução do cuidado causada pela covid, sairemos pagando melhor pela cura de si mesmo e reaprendendo a curvar-se sobre as vítimas, pois ainda somos capazes de sentir nossos intestinos se movendo diante da dor do mundo.

por Luigino Bruni

publicado no site Il Messaggero di Sant'Antonio em abril de 2021

A Bíblia também poderia ser contada através de suas moedas. A partir das trezentas moedas de prata pagas por Abraão para comprar dos hititas o túmulo de sua esposa Sara, o primeiro contrato monetário do qual há um traço na Bíblia (Gn 23). Também no livro de Gênesis, a palavra lucro (bècà), emprestada do léxico comercial da época, aparece no episódio da venda de José por seus irmãos: «Que lucro se matarmos nosso irmão? » (Gn 37:26). Assim, depois de jogá-lo na cisterna, os irmãos ouviram Judá, e "por vinte moedas de prata venderam José" (Gn 37,28) aos comerciantes de passagem a caminho do Egito.

Irmãos que vendem um irmão, e comerciantes que o compram. O lucro dos comerciantes entra imediatamente em conflito com o valor da fraternidade. Vinte moedas era o preço de um escravo ou de um par de sandálias (Amós), vinte vezes menos que as quatrocentas moedas de Abraão. Esta mesquinha soma paga por um irmão expressa o desprezo pela vida e pela fraternidade. José, então (cap. 37), dará a seu irmão mais novo Benjamin 300 moedas, doze vezes mais do que o preço pago por sua venda, um presente que excede doze vezes o lucro. Esta entrada do lucro na Bíblia é suficiente para entender a origem da ambivalência do dinheiro no humanismo bíblico. O cristianismo, portanto, retomou e desenvolveu esta ambivalência, a partir dos próprios Evangelhos, onde abundam moedas, presentes em textos decisivos, desde o dracma perdido até o trabalhador da última hora, sem mencionar dívidas e devedores presentes dentro do Paternoster.

Jesus expulsa os cambistas do templo de Jerusalém, coloca a religião do dinheiro («mammona») como alternativa à sua; mas então Lucas nos conta uma parábola, a dos talentos - considerados, entre outras coisas, entre os poucos provavelmente narrados pelo Jesus histórico -, onde a lógica do Reino dos Céus é confiada a dois «procuradores» elogiados porque investiram o dinheiro recebido, enquanto o terceiro é censurado por ser preguiçoso e mesquinho. Mas os denários mais famosos da Bíblia cristã são, sem dúvida, os trinta de Judas. O evangelho de João nos mostra Judas repreendendo a mulher de Betânia que havia desperdiçado óleo em Jesus: «Por que você não vendeu este perfume por trezentos denários e o deu aos pobres? » (12,5). Para nos dizer que Judas, além de ser um traidor, era também um mau comerciante, por ter vendido por alguns denários o Cristo, que era de imenso valor.  

Mas a presença do dinheiro no Evangelho não termina aí. Há também os dois denários que o bom samaritano paga para o hoteleiro, acrescentando aquela bela frase: «Cuide dele». (Lc 10,35). Estes dois denários pagos pelo cuidado nos dizem muitas coisas. O samaritano poderia ter invocado sua própria gratuidade também para o hoteleiro, mas não o faz: ele o paga, e assim reconhece o valor do trabalho do cuidado. Então, pagar um preço pode ser uma boa ferramenta para o cuidado. Não é apenas o presente gratuito que é a boa linguagem dos cuidados. Ao mesmo tempo, o contrato com o estalajadeiro é totalmente cristão e humano se for precedido pelo cuidado diferente e gratuito do samaritano, que cuida da vítima que se deparou com os assaltantes para o «movimento das entranhas». Hoje não há falta de pagamento por cuidado, mas é sempre pago muito pouco, porque não é socialmente valorizado. A partir da revolução da cura operada pela covid sairemos pagando melhor a própria cura (e, portanto, as mulheres, que muitas vezes são as que se dedicam a ela), e aprendendo novamente a curvar-se sobre as vítimas, pois ainda somos capazes de sentir nossos intestinos se movendo diante da dor do mundo.

Créditos das fotos: © Giuliano Dinon / Arquivo MAS

Image

vá para O ARQUIVO

Lìngua: PORTUGUÊS

Filtrar por Categorias

Siga-nos:

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 558 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2024 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - edc@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.