0

Covid e relacionamentos

Não nos daremos conta imediatamente, começaremos a sair juntos novamente, com certeza; mas este ano perdido deixará uma lacuna no tecido das nossas relações.

por Luigino Bruni

publicado no site Messaggero di Sant'Antonio em 18/03/2021

Demorará muito tempo para calcular com a devida atenção, os danos do longo ano de 2020 que, apesar das regras, nunca quer terminar. As contas mais fáceis de se fazer são as econômicas, aquelas registradas nos livros contábeis e no PIB nacional; muito mais difíceis, porém, são as «contas morais» na alma dos empresários que viveram desta vez à beira do precipício, que foram para a cama sem a certeza de que no dia seguinte sua empresa conseguiria. Essas contas ficam muito ruins, porque não temos a moeda apropriada, porque as esquecemos cedo para continuar vivendo. Mas, mesmo que as esqueçamos, elas permanecem ali, tenazes e operando em nossas vidas, surgindo quando menos esperamos, e tudo volta tão vivo e verdadeiro como nos momentos em que aconteceram.

Entre os danos quase invisíveis da covid - obs. meu corretor continua transformando a covid em covil: ele ainda não aprendeu seu nome depois de toda essa dor humana -, existem também aqueles relativos ao nosso capital relacional, à nossa herança da amizade e das relações humanas. Muito além das cores das nossas regiões e províncias, hoje já são muitos meses que tivemos que reduzir, às vezes eliminar, as reuniões com os nossos amigos e parentes. A amizade, como sabemos, está sujeita à deterioração devido ao desuso e abandono; como casas, edifícios, jardins, rios, que se não cuidarmos deles perdem o seu valor, mudam o seu aspecto, o ambiente ao redor toma conta, até que não os vemos mais, não os reconhecemos. Não estou falando daqueles muito poucos amigos que não estão sujeitos a esta forma de obsolescência. Estes estão lá, quase sempre, mas são poucos, às vezes muito poucos.

Mas a nossa felicidade e bem-estar também dependem daqueles amigos «normais», que não são amigos muito especiais, mas que tornam as nossas vidas mais ricas e mais belas. Aqueles que vemos de vez em quando, nos aniversários ou nos aperitivos, os amigos do futebol de cinco jogadores, do jogo de cartas no bar esportivo, naqueles bate-papos entre amigos onde o primeiro prazer está justamente no tempo perdido, quando se esquece do relógio para estar, simplesmente, juntos, trocando almas e palavras. Ou mesmo os passeios de carro com os colegas, onde se fala de tudo, menos do trabalho, um descanso sem trabalho que torna o trabalho mais humano.

Neste ano, reduzimos demasiadamente essas relações. Habituamo-nos a passar as tardes e feriados sozinhos ou com uma ou duas pessoas, sempre a mesma coisa. No início nos sentimos mal, sentimos a ausência do corpo de amigos; depois, com o passar dos meses, acostumamos com a solidão e o convívio de dimensões estreitas, até que quase não sentimos mais a nostalgia pelos encontros perdidos, pelos não-hugs, pelos beijos que eram a primeira linguagem da amizade. Nós, humanos, também podemos nos acostumar com a nossa infelicidade.

Não pensamos nisso, a mídia ou a televisão não falam sobre isso, não está entre as prioridades do plano de recuperação, nenhum político o coloca entre as suas urgências. Mas sairemos desta crise (se alguma vez sairmos dela) com uma forte desvalorização da nossa herança relacional. Não nos daremos conta disso imediatamente, começaremos a sair juntos novamente, indo às casas um dos outros, claro; mas este ano perdido, como e mais do que o ano escolar de nossos filhos, deixará um vazio, um buraco no tecido das nossas relações. Não o escondamos, pois somente vendo-o poderemos recordá-lo.

Créditos Foto: © Giuliano Dinon / Arquivo MSA

Image

vá para O ARQUIVO

Lìngua: PORTUGUÊS

Filtrar por Categorias

Siga-nos:

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 414 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2024 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - edc@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.