0

A segregação da vida religiosa

O mundo das ordens religiosas não pode ser equiparado ao mundo dos negócios. No entanto, especialmente em tempos de dificuldade, existem analogias...

por Luigino Bruni

publicado no Messaggero di Sant'Antonio em 29 de julho de 2020

«Nós, irmãs da geração de idade mediana, ficaríamos felizes em dedicar o resto de nossas vidas ao cuidado das irmãs idosas, de modo a liberar as irmãs jovens do grande fardo de cuidar de uma congregação tão idosa». Estas palavras me foram ditas pela Madre Superiora de uma congregação há alguns dias. Uma generosidade que me comoveu e depois me motivou a refletir de forma mais geral, sobre o presente e o futuro das ordens religiosas da Igreja.

No mundo dos negócios, ao lidar com uma empresa altamente endividada e em crise, é cada vez mais comum dividir a parte saudável da empresa, daquela que ainda apresenta capacidade futura, para evitar que a antiga empresa afunde até mesmo sua a parte mais nova. Essa é uma maneira de salvar a empresa, continuar a sua tradição e evitar o seu total fechamento.

O mundo das ordens religiosas não pode ser equiparado ao mundo dos negócios, mas no entanto existem analogias. Hoje, quando um jovem se sente chamado a uma vocação e se aproxima de uma congregação ou de uma ordem religiosa, ele tem que lidar com um conflito muito sério. Por um lado, existe a sua natural aspiração à felicidade, que é um direito e dever de toda pessoa, especialmente dos jovens; por outro lado, a certeza de ter que passar sua vida lidando com uma ordem composta por um número muito grande de pessoas idosas, além de ter que vender casas, administrar problemas crescentes de sustentabilidade econômica, etc., etc.

Esse conflito, cada vez mais evidente, está gerando dois fenômenos: o primeiro, uma redução maior das vocações do que apenas devido à secularização, pois muitos jovens com vocações autênticas estão bloqueados devido à impossibilidade pragmática de cultivá-las; segundo, essas poucas vocações remanescentes estão direcionadas apenas para novos movimentos e novas comunidades, produzindo uma dramática escassez de jovens nas ordens e congregações que existem há séculos, e que estão entre as mais belas realidades da Igreja e da humanidade.

Eis aqui a ideia da «nova sociedade» nas empresas, desagregada da antiga, que pode oferecer algumas pistas e indicar algumas perspectivas interessantes. Como me disse aquela Madre Superiora, o atual governo dessas grandes famílias religiosas poderia distinguir, no âmbito de sua gestão, inclusive jurídica, a instituição «antiga», que deveriam cuidar da administração existente e dos problemas da terceira idade, deixando claro que as pessoas idosas podem encontrar uma boa qualidade de vida, na última fase de sua existência, um elemento fundamental para todas as comunidades humanas.

E ao mesmo tempo, utilizar o capital e o patrimônio, tanto espiritual como o imobiliário e financeiro, para dar vida a uma nova «sociedade», com uma atualização do carisma e com um trabalho narrativo específico sobre a espiritualidade, de modo que o velho carisma possa se apresentar às novas vocações, como uma vida possível e fascinante, que vive na perspectiva de um futuro e não apenas do passado.

Tais perspectivas exigiriam, além da coragem carismática e da fé que o próprio carisma ainda é capaz de ter, filhos e netos (lembrando a antiga sabedoria do provérbio africano: «Aquele que come seus filhos jamais verá seus netos»), e também uma grande generosidade por parte da geração de idade mediana das ordens religiosas, que deveria colocar a felicidade dos jovens acima da sua própria felicidade. Conheci algumas comunidades onde essa generosidade existe, faltando apenas um passo para torná-la palpável e atuante, para dar vida a algumas experiências concretas. Bom trabalho: as apostas em jogos são realmente desafiadoras.

Créditos foto: © Giuliano Dinon / arquivo MSA

Image

vá para O ARQUIVO

Lìngua: PORTUGUÊS

Filtrar por Categorias

Siga-nos:

10-06-2021

Editoriais – Os valores resgatados das multinacionais para vacinas, famintos e empobrecidos por...

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 470 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - edc@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.