The Economy of Francesco

os jovens, um pacto, o futuro

logo ef

os jovens, um pacto, o futuro

EVENTOS INTERNACIONAIS

22-24 de Setembro de 2022 - Assis

22-24 de Setembro de 2022, Assis

"The Economy of Francesco"

os jovens, um pacto, o futuro

Última hora:

publicada hoje a carta com a qual o Papa Francisco convoca jovens economistas, empresários e empresárias, em Assis para propor um pacto para uma nova economia. A economia de comunhão participa da Comissão Organizadora do evento em conjunto com a diocese e o Município de Assis e o Instituto Serafico.

0

#EoF - Elizabeth e os negócios éticos para a Grande América

#EoF:  histórias - Elizabeth Garlow está entre os participantes da Economia de Francesco. Com o projeto 'Francesco Collaborative', ela promove uma abordagem solidária da gestão empresarial através de workshops e seminários.

por Angela Napoletano

publicado no site Avvenire em 15/01/2022

Filha de Detroit, cidadã do mundo, especialista em economia de pertencimento. Elizabeth Garlow, 36 anos, se apresenta desta forma. Ela estudou espanhol, ciência política e economia no Kalamazoo College em Michigan, que desde 2012 foi incluído no prestigioso guia americano de "escolas que mudam a vida". Ela teve muitas experiências relevantes, inclusive assessorando a Casa Branca durante a presidência de Barack Obama na iniciativa "Zonas Prometidas" contra a pobreza e o desemprego. Entretanto, o que a transformou mais do que qualquer outra coisa foi o nascimento de Sofia, a pequena menina que ela deu à luz há alguns meses, e o encontro com a comunidade da Economia de Francisco.

Aderindo à rede de jovens empreendedores e acadêmicos que, a pedido do Papa Francisco, estão estudando soluções para uma economia mais sustentável e que se preocupa com o mínimo, ela conta , «virou a minha vida completamente de cabeça para baixo porque mudou a trajetória que liga as relações ao trabalho». Como a maternidade. Elizabeth, que nasceu e foi criada em uma família católica, não é estranha às questões que unem religião e finanças (e vice versa). Ela os explora desde anos atrás, quando conheceu o movimento internacional dos Focolares, o "povo nascido do Evangelho" fundado por Chiara Lubich em 1943. Ele dedicou a sua tese de graduação à chamada Economia de Comunhão, uma iniciativa que durante trinta anos envolveu os focolarinos em projetos de empreendedorismo e justiça social no mundo. Uma experiência, explica ela, «que me convenceu a continuar estudando e trabalhando sobre o que liga a fé e as tradições espirituais, particularmente católicas, aos princípios morais da economia, uma interseção na qual as políticas e práticas para uma economia mais justa amadurecem». A carta anunciando o lançamento da Economia de Francisco, ela lembra, «veio em meio a uma pequena reunião de oração entre jovens profissionais americanos interessados nas aplicações econômicas dos ensinamentos da Igreja Católica»..

A decisão de participar quase foi tomada como certa. Como membro da aldeia virtual dedicada a "Finanças e Humanidade", a nova mãe americana descreve entusiasticamente a análise e a discussão que ela teve nos últimos meses dentro da rede global EoF e a importância do debate que continua até hoje. Antes desta experiência, ela explica: «Senti que meus esforços em favor da economia solidária eram um pouco isolados». Este não é mais o caso. «Existe uma rede de apoio, diz ela, o que faz uma grande diferença». A nível pessoal e profissional. Talvez o resultado mais tangível deste caminho seja o nascimento de 'Francesco Collaborative', um projeto dirigido junto com Felipe Witchger, um especialista em investimentos, que promove através de workshops e seminários a abordagem ética e solidária da gestão empresarial no tecido industrial da América do Norte. O público que a iniciativa está tentando atingir, explica Elizabeth, é representado por "empresários de fronteira", proprietários de empresas que caminham na linha entre o presente e o futuro e que, portanto, estão mais inclinados a imaginar novas formas de progresso. Humano e econômico. Para indivíduos e comunidades. «Nós os ajudamos a entender como os conceitos tradicionais de negócios e gestão podem ser revisitados de forma prática e teórica, à luz do apelo por uma economia solidária. Nós os encorajamos a compartilhar oportunidades de investimento, a olhar para a tomada de decisões como um grupo». «Um enorme desafio», admite ela. Mas ela não tem intenção de se esquivar. «Para o bem de minha filha», aponta ela, e das gerações futuras. «O paradigma econômico atualmente dominante - explica ela - pode perpetuar as desigualdades e rasgar o tecido social. Neste contexto, é extremamente difícil para todos, e não apenas para alguns, estar bem». Mas Elizabeth é otimista: «a mudança é possível». Como ensina a experiência da Economia de Francisco, «quando você se confronta com autenticidade e humildade, você realmente pode mudar o curso da vida de outras pessoas, alcançar aquilo para o qual você trabalha».

Image

vá para O ARQUIVO

Lìngua: PORTUGUÊS

Filtrar por Categorias

Siga-nos:

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 720 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2024 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - edc@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.