Best practices

0

#Covid-19 e EoC - In Vivo, Bratislava: Duas Irmãs e o Poder da argila

A história de uma das primeiras empresas EdC na Eslováquia, In Vivo: desde o início dos mercados de rua até uma bela loja e 20 funcionários, até o fechamento devido à pandemia de Covid: hoje a coragem de se reinventar e recomeçar.

escrita por Miriam Elizabeth Fogarty

Eles podem resistir para sempre, ou quebrar em um instante. Os artefatos da In Vivo representam a força e a fragilidade da empresa que os produz.

TazzeIn Vivo rid2Uma história que tem suas raízes em 1993, quando a Eslováquia estava nascendo como República e com ela muitas novas realidades econômicas, em um contexto no qual tornar-se um empreendedor significava ser pioneiro e enfrentar uma selva burocrática não insignificante. Esta não foi uma escolha óbvia para Gabriela Kosečková, uma recém-formada que estava passando algum tempo na Itália na época, onde entrou em contato com a ideia da economia de comunhão, um conceito que a arrebatou: ela havia descoberto uma maneira que lhe permitia criar, ganhar e fazer o bem ao mesmo tempo. Sua criatividade foi posta em marcha e com este novo projeto no bolso, ela voltou a Bratislava, compartilhou a sua ideia à sua irmã Lucia, uma estudante de pós-graduação, que ficou tão conquistada quanto ela. Assim, elas abriram um número de IVA e Gabi começou a criar artefatos de barro em seu pequeno apartamento. Uma mala era seu armazém, e com ela saíam para as ruas e praças para vender seus produtos. A ideia de uma loja de verdade, naquela época, não estava nem mesmo em gestação.

Não só o empreendimento era uma novidade, mas também os itens que elas ofereciam eram de um tipo completamente novo, pode-se dizer desconhecido. As pessoas só conheciam a cerâmica tradicional, que normalmente eram expostas nas janelas das casas sem serem tocadas. Gabi e Lucia, ao invés disso, propuseram um novo projetoAngeli 3In Vivo rid e a perspectiva de um uso diário de seus produtos. Um belo desafio que poderia ter entrado em conflito com um mercado que não estava pronto para recebê-los, ao invés disso, suas criações tiveram grande sucesso, tanto que a mala voltava para casa vazia. O ritmo de trabalho se tornou cada vez mais frenético, as irmãs se revezaram nas vendas e na produção, o espaço disponível se tornou apertado, novas necessidades surgiram. Assim, em 1997, eles abriram a loja. A produção agora acontecia no ponto de venda, até que foi necessário expandi-la e transferir o trabalho para o charmoso ateliê onde ainda hoje se encontra. Entretanto, foi escolhido o nome In Vivo, que significa "da vida para a vida".

Apesar do fato de que a concorrência estava começando a fazer avanços, a qualidade dos produtos In Vivo, sua originalidade e a inspiração que os caracterizava continuavam a manter a empresa sólida, de tal forma que empregava 20 pessoas. Até que a pandemia eclodiu. 
SpremiagrumiIn vivo rid

Fechamentos, ruas vazias, aluguéis atrasados e salários devidos.

Lúcia e Gabi se depararam diante de decisões difíceis que puderam enfrentar no espírito da economia de comunhão: para elas não se tratava de "fazer uma lista de pessoas e eliminar o maior número possível", mas de "olhar cada funcionário como uma pessoa, em sua situação de vida, e como mantê-lo sob essas condições pelo maior tempo possível". No início não estava claro como a situação evoluiria, mas quando ficou claro que não era uma coisa passageira, elas tiveram que proceder relutantemente com as demissões, sem falsas promessas. O maior e mais doloroso passo em agosto: o fechamento da loja.

Um sinal de esperança nesta escuridão veio da rede de empresas EdC. Um grupo de empresários poloneses, querendo apoiar uma empresa afetada pela crise pandêmica, escolheu a In Vivo. Além da gratidão por esta contribuição, elas foram imediatamente encorajadas a usar este dinheiro de forma responsável para multiplicar o bem recebido, dando trabalho àqueles que não o tinham.

Atualmente, o foco da empresa é diversificar sua clientela, intensificar seus relacionamentos e a rede, fortalecer suas vendas on-line e iniciar o processo de restyling que a empresa, que atualmente tem 4 funcionários, vem adiando há muito tempo.

"A crise", diz Lúcia, "mostrou que até mesmo o impossível é possível. Tudo é possível, basta querê-lo".


 Créditos foto:: Martina Baumann e Archivio In Vivo

Image

vá para O ARQUIVO

Lìngua: PORTUGUÊS

Filtrar por Categorias

Siga-nos:

10-06-2021

Editoriais – Os valores resgatados das multinacionais para vacinas, famintos e empobrecidos por...

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 260 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - edc@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.