Rassegna stampa

Agência Ecclesia - 24/01/2012

Que novas empresas?

publicado em Agência Ecclesia, dia 24/01/2012

logo_agencia_ecclesiaDa vida e obra de Chiara Lubich, fundadora do Movimento dos Focolares, nasceu o projeto de “economia de comunhão na liberdade”, uma demonstração de que o seu carisma é destinado (como o é também a mensagem evangélica) a renovar não apenas a vida pessoal e a vida da Igreja, mas também as estruturas sociais.

Os ideais e objctivos da “economia de comunhão” encontram eco em vários aspetos da mensagem da encíclica Caritas in Veritate. Assim, a ideia de que «o princípio da gratuidade e a lógica do dom como expressão da fraternidade podem e devem encontrar lugar dentro da atividade económica normal» (n. 36). Na verdade, as empresas que aderem a este projeto são movidas pelo objetivo de partilha dos seus lucros em prol do combate à pobreza e da formação de pessoas numa cultura de comunhão.

Mas o que deve distinguir essas empresas não é apenas um determinado destino para os seus lucros. Nelas se procura viver o ideal evangélico da fraternidade, concretizando uma outra proposta da Caritas in Veritate: «viver relações autenticamente humanas de amizade e camaradagem, de solidariedade e reciprocidade, mesmo no âmbito da atividade económica e não apenas fora dela ou “depois” dela» (n. 36). Para isso, a empresa deve ser vista, como salienta a encíclica de João Paulo II Centesimus Annus, como uma “comunidade de pessoas” e não apenas uma “sociedade de capitais” (n. 43).

À luz destes ideais, pode tentar-se avaliar o conjunto de modificações na vida das empresas e na regulação das relações de trabalho que resulta do acordo de concertação social recentemente assinado e de um conjunto de outras medidas legislativas em perspetiva.

Os proponentes dessas alterações invocam a sua necessidade para o crescimento económico e a competitividade das empresas e, no que se refere ao regime dos despedimentos, a equiparação à maioria dos outros países europeus.

É de saudar o sucesso do diálogo e da concertação social diante de uma crise que coloca empresários e trabalhadores no mesmo “barco” e cuja superação não pode prescindir da colaboração de uns e outros. Também parece indiscutível que essa superação exige esforços acrescidos (há que trabalhar mais e melhor), pois na raiz da crise está um desequilíbrio entre o que temos produzido e o que (Estado e particulares) temos consumido.

Mas o que deve também questionar-se é se no compromisso alcançado a carga dos trabalhadores e o sacrifício dos seus direitos não será excessivo e desproporcional. É significativo que a central sindical que assinou o acordo de concertação social o tenha feito não tanto pelo mérito das medidas que o integram, mas pela vontade de evitar outras ainda mais gravosas para esses direitos.

Quando se reduzem a cerca de um terço as indemnizações por despedimento (invocando a média europeia), pretendendo que o sucesso e futuro das empresas dependerá da facilidade com que se despede, esquece-se que o nível dos salários que serve de base a essas indemnizações está muito abaixo da média europeia. No imediato, quando se prevê o aumento significativo do desemprego (e porque o subsídio respetivo também será reduzido), são de prever graves consequências destas medidas no plano social. Numa perspetiva de mais largo alcance, facilitar assim o despedimento contribuirá para que os trabalhadores se sintam apenas um custo de uma “sociedade de capitais” e não, como pretendemos, parte integrante, motivada e ativa, da empresa como uma “comunidade de pessoas”.

José Maria Raposo, Associação de Economia de Comunhão

Seguici su:

Rapporto Edc 2018

Rapporto Edc 2018

SCARICA I DOCUMENTI

SCARICA I DOCUMENTI

L’economia del dare

L’economia del dare

Chiara Lubich

"A differenza dell' economia consumista, basata su una cultura dell'avere, l'economia di comunione è l'economia del dare..."

Le strisce di Formy!

Le strisce di Formy!

Conosci la mascotte del sito Edc?

Il dado per le aziende!

Il dado per le aziende!

La nuova rivoluzione per la piccola azienda.
Scarica la APP per Android!

Seguici su:

Corsi di Economia Biblica 2019

scuola biblica box

14-15 settembre 2019
(Libro di Qoélet)
vedi volantino - Per maggiori informazioni - iscriviti qui

Rapporto Edc 2017

Rapporto Edc 2017

L’economia del dare

L’economia del dare

Chiara Lubich

"A differenza dell' economia consumista, basata su una cultura dell'avere, l'economia di comunione è l'economia del dare..."

Le strisce di Formy!

Le strisce di Formy!

Conosci la mascotte del sito Edc?

Chi è online

Abbiamo 357 visitatori e nessun utente online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - info@marcoriccardi.it

Questo sito utilizza cookie tecnici, anche di terze parti, per consentire l’esplorazione sicura ed efficiente del sito. Chiudendo questo banner, o continuando la navigazione, accetti le nostre modalità per l’uso dei cookie. Nella pagina dell’informativa estesa sono indicate le modalità per negare l’installazione di qualunque cookie.