Também o WSJ cita a Encíclica e a Edc

 

O artigo, publicado a 7 de Julho, cita vários trechos da Encíclica 

Também o WSJ cita a Encíclica "Caritas in Veritate" e a Edc 

No passado dia 7 de Julho, o ‘Wall Street Journal’ publicou um breve artigo em que são citados alguns trechos da nova Encíclica papal, “Caritas in Veritate”.

Entre outros é citado um passo em que o Papa se refere à “assim chamada ‘economia civil’ e ‘economia de comunhão’… uma nova e ampla realidade complexa que engloba os sectores privado e público, e que não exclui o lucro, antes o considera um instrumento para a realização das finalidades humanas e sociais… Espera-se que estes novos tipos de empresas consigam encontrar em todos os países uma estrutura jurídica e fiscal adequada”.

Segundo a interpretação do ‘WSJ’, nestas passagens o Papa exprime a “necessidade de utilizar a economia para a assistência aos pobres e para cuidar do ambiente, mas ao mesmo tempo também suporta a globalização como meio para o combate à pobreza, apoiando a ideia de um mercado livre”.

ver o artigo:Pope Weighs In on Financial Crisis (em língua inglesa)

Eis algumas das passagens deste artigo:

«A Igreja defende, desde sempre, que o agir económico não deve ser considerado anti-social. O mercado não é, portanto não deve tornar-se, em si mesmo o lugar da supremacia do forte sobre o fraco. A sociedade não deve proteger-se do mercado, como se o desenvolvimento deste conduzisse ‘ipso facto’ à morte das relações autenticamente humanas. É certamente verdade que o mercado pode ser orientado em sentido negativo, não por ser esta a sua natureza, mas porque uma determinada ideologia o pode orientar nesse sentido. Não se deve esquecer que o mercado não existe em estado puro. Ele colhe as suas formas das configurações culturais que o especificam e o orientam. Com efeito, a economia e a finança, enquanto instrumentos, podem ser mal utilizados, quando aqueles que as gerem têm referências meramente egoísticas. Assim, pode-se conseguir transformar instrumentos bons de por si em instrumentos prejudiciais. Mas é a razão humana obscurecida que produz estas consequências, não o instrumento em si mesmo. Portanto, não é o instrumento que deve ser posto em causa, mas sim o homem, a sua consciência moral e a sua responsabilidade pessoal e social.


A economia, de facto, precisa da ética para o seu correcto funcionamento: não de uma ética qualquer, mas sim de uma ética amiga da pessoa. Hoje em dia, fala-se muito de ética no campo económico, financeiro, empresarial..

Considerando as temáticas relativas à relação entre empresa e ética, para além da evolução que o sistema produtivo está a conhecer, parece que a distinção generalizada até hoje entre empresas de finalidade lucrativa (profit) e organizações sem fins lucrativos (non profit) já não responde completamente à realidade, nem pode dar uma orientação para o futuro. Nestas últimas décadas foi emergindo uma ampla área intermédia entre estas duas tipologias de empresas, constituída por empresas tradicionais que, na realidade, subscrevem um pacto de ajuda aos países pobres; por fundações que são expressão de uma empresa singularmente; por grupos de empresas cuja finalidade é a utilidade social; por uma grande variedade de sujeitos da chamada economia civil e de comunhão.
Não se trata apenas de um ‘terceiro sector’, mas de uma nova ampla realidade complexa, que engloba os sectores privado e público e que não exclui o lucro, antes o considera um instrumento para a realização das finalidades humanas e sociais. O facto de estas empresas distribuírem ou não os rendimentos, ou que assumam uma ou outras das configurações previstas pelas normas jurídicas, torna-se secundário relativamente à sua disponibilidade para conceber o lucro como um instrumento para atingir a finalidade da humanização do mercado e da sociedade. É desejável que estas novas formas de empresa encontrem também, em todos os países, uma adequada configuração jurídica e fiscal. Estas, sem tirar nada à importância e utilidade económica e social das empresas de carácter tradicional, fazem evoluir o sistema em vias de uma mais clara e completa assumpção dos deveres, por parte dos sujeitos económicos. Não só. É a própria pluralidade das formas institucionais de empresa a gerar um mercado de carácter mais civil e, ao mesmo tempo, mais competitivo.


É preciso, de resto, que a finança enquanto tal, nas necessariamente renovadas estruturas e modalidades de funcionamento, após a sua má utilização que danificou a economia real, se torne um instrumento ao serviço de uma melhor produção de riqueza e de desenvolvimento. Toda a economia e toda a finança, e não só alguns dos seus segmentos, devem, enquanto instrumentos, ser utilizados de modo ético, de modo a criar as condições propícias para o desenvolvimento do homem e dos povos. É certamente útil, e até indispensável em certas circunstâncias, dar vida a iniciativas financeiras em que a dimensão humanitária seja dominante.
Isto porém não deve fazer esquecer que todo o sistema financeiro tem como finalidade a sustentação de um verdadeiro desenvolvimento. Sobretudo é necessário que a intenção de fazer o bem não se contraponha ao de efectiva capacidade de produzir bens. Os operadores da finança devem redescobrir o fundamento propriamente ético da sua actividade, para não abusar dos instrumentos sofisticados que podem servir para trair os clientes. Recta intenção, transparência e procura de bons resultados são compatíveis e nunca devem ser separados. Se o amor é inteligente, sabe encontrar também os modos para operar segundo uma previdente e justa conveniência, como indicam, de maneira significativa, muitas experiências no campo da cooperação de crédito».

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.