ABCDEconomia "B" como "Banca"

ABCDEconomia por Luigino Bruni

Cara banca, reaprende qual é a tua função

Publicado no Semanário ‘Vita’, de 27 Fevereiro 2009

Prossegue o dicionário de Luigino Bruni: um guia para reler as palavras-chave do agir económico, depois da queda dos mitos e do desinchar das bolhas. Palavras já analisadas: Felicidade, Lucro, Mercado. E agora: Banca.

A economia nasceu com o homem, pois já na pré-história, sempre que existiam escassos recursos, surgia um problema económico. E com a economia nasceu também a prática da poupança, através da renúncia, isto é, a um consumo corrente para assegurar um consumo futuro.

A Banca, pelo contrário, é uma invenção recente, pois surgiu na Idade Média, muito embora tenham existido desde a antiguidade actividades de depósitos e empréstimos. A poupança e a Banca são dois conceitos lógica e historicamente distintos e autónomos: pode-se poupar mesmo sem a Banca, como nos demonstrou, especialmente, J. Keynes.
icon ABCDEconomia "B" como "Banca" (artigo em italiano)

A Banca nasceu com o desenvolvimento dos mercados, quando se iniciou a procura de dinheiro, por parte dos comerciantes, que tinham projectos empresariais mas não tinham os recursos financeiros necessários.

Nesses primeiros bancos era clara a distinção entre empréstimo para o investimento (ou para os mercados) e o empréstimo para o consumo das famílias: enquanto que a partir do Humanismo ninguém punha seriamente em dúvida que o empréstimo ao empresário devia ser acompanhado de uma taxa de juro, pelo contrário, muitos negavam que, no caso de empréstimo ao consumo das famílias, se devesse também cobrar juros.

Porquê? A razão é simples: quando se empresta a um empresário, aquele empréstimo tem em si mesmo a premissa de lucros futuros. Quando, por outro lado, se recorre ao empréstimo para o consumo de bens de primeira necessidade, esse consumo ‘destrói’ riqueza, não é frutífero. Eis porque o único juro que os Montepios exigiam às famílias necessitadas era uma participação efectiva nos custos da Banca: em termos actuais, esses bancos eram instituições sem fins lucrativos.

Mas se olharmos bem a natureza da Banca, poderemos chegar a afirmar, e sem grande dificuldade, que a sua natureza normal não deveria ser a procura do lucro, pelo simples facto de que ela administra e aplica recursos que não são seus. A Banca é, por natureza, uma empresa civil, cuja finalidade é muito mais vasta do que o mero lucro. Por esse motivo, um sector bancário que gera altos rendimentos denuncia uma patologia. A crise actual, de facto, está a dizer-nos duas coisas fundamentais. A primeira é que o sistema de incentivos e de recompensas está errado: o mercado financeiro tem dado altas remunerações a quem assume altos riscos, mas com dinheiro dos outros. Em segundo lugar, temos assistido com demasiada indiferença ao processo de transformação dos bancos de instituições civis a instituições especulativas. A Banca é demasiado importante para ser deixada nas mãos de quem só procura o lucro.

É necessário re-civilizar o sistema bancário, para relançar um verdadeiro pacto social que mantém unidas as nossas complexas sociedades.

Na próxima semana Luigino Bruni analisará a palavra “Investimento”

Siga-nos:

29-07-2020

A casa comum só pode se tornar mais humana e mais hospitaleira se a olharmos e pensarmos nela...

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 410 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - edc@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.