0

Ucrânia, assembleia da ONU para reconquistar a paz

Para sair de um impasse de uma guerra cada vez mais cruel, é necessária uma ação da assembleia geral da ONU.

por Alberto Ferrucci

publicado na revista Città Nuova em 11/03/2022

Para qualquer um, seria muito difícil considerar como "dano colateral" a mãe estendida no chão com seus filhos, morta por uma bomba enquanto tentavam escapar de um destino não merecido com suas malas e mochilas. Com essa imagem em seus olhos, é muito difícil imaginar uma escala de valores ou interesses capazes de induzir tal ação desumana, mas além dos próprios sentimentos e lógica, "fazer-se um" é a única maneira de conceber soluções negociadas que possam nos tirar deste pesadelo.

Fazer-se um com todos é o compromisso dos diplomatas, o que inclui coragem e até heroísmo, como o do sueco Dag Hammarskjöld, cujo avião caiu na África em 1961, possivelmente abatido, enquanto como secretário da ONU ele trabalhava para restaurar a paz entre as nações daquele continente, o mesmo continente onde o embaixador italiano Luca Attanasio também caiu há um ano em uma missão humanitária.

Hoje é necessário, apesar das declarações embaraçosas de ambos, comprometer-se a olhar o mundo do ponto de vista do Patriarca Kirill e do Presidente Putin: do primeiro, se a imprensa transmitiu seus pensamentos corretamente, é difícil compartilhar a atitude medieval daqueles que confiam nas armas para combater uma cultura, o secularismo: é mais fácil entender o desejo de Putin de reivindicar o retorno da Crimeia à Rússia, que havia sido confiada pela URSS à Ucrânia sob administração muito antes do referendo de independência; também é compreensível que uma certa autonomia deva ser reconhecida para as regiões de fronteira habitadas por pessoas de sua língua.

Entretanto, trinta anos se passaram desde que o referendo na Ucrânia se tornou democrático, e isto teve um impacto na mente das pessoas além da língua que falam, como evidenciado por sua determinação em defender a democracia para seus filhos, mesmo à custa da vida do povo ucraniano como um todo, incluindo os que falam russo.

Um fator que Putin subestimou e que está complicando a sua conquista da Ucrânia: isto é confirmado por testemunhas confiáveis que dizem por experiência direta que os suprimentos do exército russo foram suficientes para uma atividade de cinco dias: mas já passou três vezes mais do que isso.

Putin também subestimou o interesse da Europa pela Ucrânia, que desta vez está mostrando solidariedade e disponibilidade para fazer sacrifícios por sanções e pelo abandono das atividades na Rússia.

Uma Europa também determinada a se libertar o mais rápido possível das importações de gás e petróleo, os principais recursos econômicos da Rússia, a curto prazo, com um retorno ao carvão e ao gás natural americano de fracionamento prejudicial ao meio ambiente, mas com uma determinação que ajudará a acelerar a conversão para energias renováveis e a economia de energia.

Hoje, portanto, como parece ser a inclinação do corajoso presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, seria urgente oferecer a Putin uma alternativa para reagir às dificuldades atuais com uma escalada do conflito, que implicaria uma ruptura da Rússia com aquele mundo ocidental ao qual historicamente pertence.

A alternativa poderia ser uma resolução, sem possibilidade de veto, da Assembleia Geral da ONU, exigindo o fim das hostilidades e a retirada dos exércitos estrangeiros da Ucrânia, com o compromisso do parlamento ucraniano de realizar um referendo sob supervisão internacional dentro de seis meses, abrangendo todas as regiões da Ucrânia, incluindo a Crimeia, no qual os cidadãos residentes há pelo menos um ano podem optar por pertencer à Ucrânia ou à Rússia.

A compilação das listas eleitorais, as instalações regionais e centrais de coleta de dados para os resultados e a votação em cada seção deveriam ser realizada com um presidente de seção eleitoral e um intérprete nomeado pela ONU entre o pessoal qualificado de todas as nações que representa.

A ONU também deveria monitorar a implementação do compromisso da Rússia e da Ucrânia de criar administrações com autonomia adequada para a proteção social e cultural da minoria linguística em regiões onde o referendo resulte em uma opção perdedora de mais de 30%.


Créditos: Foto Roberto Monaldo / LaPresse 04-03-2022 Roma Chronicle Flash mob contra a guerra na Ucrânia organizada pela Comunidade de Santo Egídio. Na foto Um momento do flash mob na Piazza Vittorio Emanuele

 

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.