0

Aumento dos custos do gás, causas e remédios

Enquanto o consumo de energia de origem fóssil está sendo depreciado, na prática, sua produção ainda está crescendo. Por quê? As causas do aumento do custo do gás entre atrasos estruturais e razões geopolíticas.

por Alberto Ferrucci

publicado na revista Città Nuova em 23/12/2021

O preço do gás natural é oscilante. Em abril de 2020, a queda no consumo devido à pandemia no Golfo do México causou a sua queda: aqueles que podiam consumir mais até receberam em troca uma compensação. No outono de 2021, entretanto, o preço dobrou para compensar a menor produção de energia eólica causada pela calma induzida pela mudança climática no Mar do Norte. Atualmente, devido à recuperação da economia mundial e ao consumo no inverno para o aquecimento, o preço saltou para cinco a seis vezes o que estávamos acostumados.

O gás natural é armazenável apenas parcialmente, os depósitos subterrâneos nos vários países dedicados a ele são dimensionados para equilibrar a variação do consumo ao longo das estações: o preço exagerado do presente é certamente motivado pela recuperação econômica global, mas também por outros fatores.

O mais trivial, que é muitas vezes esquecido, é o aumento da demanda: embora muitos investimentos tenham sido feitos em energia renovável, mesmo com o apoio das finanças internacionais e dos governos, talvez devido a uma inércia de mudança nas burocracias, os empresários e a indústria mundial se veem incapazes de construir todas as usinas de energia renovável, mesmo quando são mais baratas do que a energia de origem fóssil, necessárias para atender ao crescimento da demanda de eletricidade no mundo. Ou seja, a demanda extra de energia necessária para os mais de 5 bilhões de seres humanos que consumiram muito pouca energia no passado e agora querem ser capazes de consumí-la ainda mais.

Enquanto o consumo de energia de origem fóssil está sendo depreciado, na prática a sua produção cresce ainda mais: há uma tendência para eliminar o uso do carbono, mas não havendo alternativas renováveis prontas, o gás natural é escolhido por ter um menor efeito estufa.

O jogo da demanda e da oferta que determina o preço do gás natural nos últimos meses é também influenciado pelo conflito entre a Rússia e a Europa sobre a falta de respeito aos direitos humanos e o expansionismo russo em relação à Ucrânia.

A Europa depende da Rússia para um terço de seu tão necessário gás natural: para assegurar o seu abastecimento sem depender dos estados de trânsito, ela permitiu a construção do segundo gasoduto Nord Stream que liga a Rússia diretamente à Alemanha através do Mar Báltico, que atualmente não está em operação devido apenas a atrasos nas licenças burocráticas alemãs.

Os Estados Unidos estão apoiando a Europa sem ajudar a suavizar as diferenças e esperando que a Alemanha continue a manter o gasoduto bloqueado: em troca, estão oferecendo o seu gás natural liquefeito, produzido através da perfuração em rochas usando a técnica de fracionamento que leva a emissões descontroladas de gás natural, um gás de efeito estufa 80 vezes pior que o dióxido de carbono. O baixo preço do petróleo nos últimos anos, felizmente, os colocou fora do mercado, mas o atual aumento dos preços aumentou recentemente a sua produção em mais de 20%.  

Diante dos protestos europeus contra os direitos humanos e a agressão à Ucrânia, a companhia de gás de Putin está mantendo o fornecimento de gás natural a um mínimo contratual, provavelmente armazenando parte da produção em seus depósitos subterrâneos: uma técnica para elevar ainda mais o preço, que agora é ditada mais pela incerteza e pelas previsões de fornecimentos futuros do que por transações comerciais.

Putin nunca chegará a bloquear o gás para a Europa, não por simpatia em relação a nós, mas porque precisa muito dos dólares que lhe pagamos em troca.

O aumento dos preços das matérias-primas tem inevitavelmente um impacto sobre os preços de consumo: a fim de evitar um impacto excessivamente sério no bem-estar dos cidadãos, o governo italiano está alocando vários bilhões de liras na lei do orçamento para reduzir os impostos sobre produtos derivados do petróleo e do gás.

Embora muitas pessoas possam não concordar, duvido que estas medidas estejam corretas: conter os preços afeta a dinâmica da demanda e da oferta; a fim de reduzir a demanda por um bem escasso e equilibrá-la com a sua disponibilidade, o seu preço deverá aumentar.

Não se trata de ser insensível às necessidades dos cidadãos, esta ajuda deveria ser oferecida, mas melhor se de uma forma diferente: os bilhões de euros que a manobra econômica aloca atualmente para baixar estes preços, poderiam ser utilizados para reduzir as contribuições que atualmente são retidas dos pacotes salariais dos trabalhadores com salários de primeiro nível, a fim de aumentá-los e assim permitir-lhes suportar os custos mais elevados da energia. 

Isto deixaria aos cidadãos a decisão de utilizar ou não o aumento de rendimento de outra forma, optando por reduzir o seu consumo de energia: a verdadeira energia renovável é a energia que não é consumida. Ao limitar os preços, aqueles que consomem mais, que continuam a desperdiçar gasolina ou diesel em seus SUVs, e que mantêm a temperatura em casa em temperaturas tropicais, serão os mais beneficiados.


@Creditos Foto: AP

Image

vá para O ARQUIVO

Lìngua: PORTUGUÊS

Filtrar por Categorias

Siga-nos:

10-06-2021

Editoriais – Os valores resgatados das multinacionais para vacinas, famintos e empobrecidos por...

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 399 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - edc@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.