Bolívia 2010: o futuro da EdC passa por aqui

Começou em Santa Cruz de la Sierra,  na região oriental-tropical da Bolívia, o encontro internacional da EdC 2010

Bolívia 2010: o futuro da EdC passa por aqui 

por Antonella Ferrucci

100716_SantaCruz_06São três horas da tarde do dia 16 de julho quando tem início em Santa Cruz de la Sierra o encontro internacional de EdC Bolívia 2010: o encontro vai envolver até segunda-feira, dia 19 de julho, mais de 70 pessoas entre empresários e estudiosos da Bolívia com representantes do Paraguai, Perú, México, Equador, Argentina, Chile, Espanha e Itália.

O encontro começa com uma jornada aberta à qual aderiram cerca de 100 pessoas. O objetivo desta primeira tarde é fazer com que as pessoas desta cidade, considerada o motor econômico do país, conheçam a experiência de alguns empresários e estudiosos que aderem ao projeto EdC. Após a introdução feita com o vídeo “Encontro entre economia e comunhão”, vários empresários - Maria Elena, Paraguai, Germán Jorge, Argentina e Remberto Quina, Bolívia – partilharam a própria experiência como empresários EdC, manifestando em várias partes a centralidade e o valor que é dado à pessoa nas empresas EdC.

100716_SantaCruz_05Na segunda parte da tarde os vários especialistas EdC presentes, Luigino Bruni da Itália, Javier Espinosa da Espanha, Ramon Cervino e German Jorge da Argentina responderam às perguntas dos presentes. Entre os temas tratados, a contribuição da Economia de Comunhão no mundo econômico, a encíclica Caritas in Veritate, o modo como se pode viver a fraternidade nas empresas. As respostas tocaram os presentes, seja pelo aspecto concreto, seja pela densidade acadêmica das mesmas.

 

Hoje, 17 de julho, tem início o Congresso EdC propriamente dito com a presença de aproximadamente 70 empresários. O centro do encontro será a troca de experiências entre empresários e trabalhos de grupo sobre "governança de comunhão", "empresário EdC", e "estudiosos EdC". 

Pedimos a Luigino Bruni, presente no encontro, a sua impressão sobre o que se está vivendo na Casa Kolping, sede do encontro:“É muito 100716_SantaCruz_08om ver aqui na América do Sul tudo tão vivo. Tem um ar de re-fundação, num contexto sul-americano onde se procura uma ideia diferente da economia de mercado: isso torna muito atual a EdC que valoriza o mercado mas vai além do capitalismo. Os temas das comunidades locais, do ambiente, dos territórios são fundamentais aqui na Bolívia (basta pensar nas comunidades indígenas, que são mais da metade da população): a resposta não pode ser um socialismo de estado – como hoje o governo Morales gostaria que fosse – , mas nem mesmo imitar o modelo ocidental que os bolivianos vêem como contrario à cultura local, às comunidades, aos bens relacionais. Hoje aqui fala-se de um “bem viver” que é contrário ao crescimento, e os nossos temas são muito interessantes para esses povos. Parece-me poder dizer que o futuro da EdC passe muito pelo Sul e pelo Leste, não acredito que pela Europa, ao menos não somos realmente capazes de um verdadeiro renascimento espiritual e cultural.”

O que nos podes dizer, Luigino, das empresas EdC bolivianas? “A vida das empresas aqui é muito linda: existem muitas experiências de empresas, algumas até grandes, basta pensar na Todo Brillo que tem 430 empregados e umas dez filiais. Ou nas 5 empresas que surgiram aqui através dos lucros do empresário Paco Toro.”

O encontro continua, vamos mantê-los atualizados com estas páginas.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.