Paraguai: Todo Brillo!

Atraída pelos valores da Economia de Comunhão, com a aprovação dos filhos, uma bancária torna-se uma empresária bem-sucedida. A sua empresa, “Todo Brillo”, atualmente dá trabalho a 600 pessoas.

publicado em: focolare.org dia 16/06/2012

Todo_Brillo_03«Em 1993 – conta Maria Elena González, do Paraguai – quando escutei pela primeira vez Chiara Lubich falar sobre a Economia de Comunhão, fiquei  muito surpresa com o fato que ela convidava a dividir os lucros em três partes: para os mais necessitados, para o desenvolvimento da empresa e para a formação dos jovens aos valores do projeto, que baseia-se na “cultura da partilha”, em contraposição à do “possuir” somente. Para mim foi como um maremoto, que mudou a minha vida.

Naquele tempo eu trabalhava num banco, onde os lucros, como sabe-se, terminam nas mãos dos acionistas. Pensei nas minhas qualidades como empresária, das quais um dia eu deveria prestar contas a Deus e aos irmãos. Decidi então participar do projeto, como um modo pessoal de dizer “sim” a Deus, colocando à disposição as minhas capacidades em favor de quem está ao meu lado.

Falei sobre isso com meus filhos, ainda adolescentes, e eles me encorajaram a ir adiante. Não tinha ideia de por onde começar, mas a resposta não tardou a chegar. Eu via ao meu redor os funcionários da limpeza, mal pagos, não valorizados, pouco instruídos… decidi abrir uma empresa de limpeza, com alguns deles, e logo encontramos o primeiro cliente, com quem trabalhamos até hoje.

No início o nosso orçamento não era bem distribuído, e não bastava para pagar todos os funcionários. Lembro que para ser fiel aos contratos assinados, quando terminava o trabalho no banco eu vestia o avental e ia concluir as limpezas. Embora esse fosse um grande esforço interiormente eu tinha a certeza de estar no caminho certo.

A Economia de Comunhão coloca a pessoa no centro, segundo o princípio que leva a fazer ao outro o que se gostaria fosse feito a si mesmo, procurando – como diria Chiara Lubich – que o amor supere a criatividade pessoal Todo_Brillo_01_ride a própria produção. Certo, não é algo mágico, exige esforço cotidiano, uma busca constante de qualidade sob todos os aspectos: administrativo, operativo, relacional, na escolha de funcionários dispostos a aderir a esta visão solidária da economia, etc.

Durante todos estes anos, apesar das inúmeras dificuldades ligadas à situação social e econômica do nosso país e de toda a região, cada trabalhador colocou o seu grão de areia, e assim conseguimos superar os momentos de crise. Foi especialmente durante as “tempestades” que sentimo-nos sustentados por Deus, o nosso “sócio escondido” – como gostamos de chamá-lo – “o acionista majoritário da empresa”, que passo a passo indicou-nos o caminho, através daquela voz interior que é sempre clara e forte, para quem quer escutá-la.

Agradeço muito a possibilidade que tive de trabalhar. Também minha filha começou na Todo Brillo, e agora foi contratada pelo banco”, conta Benita S., que trabalha há 12 anos na empresa.

“Aqui sinto-me importante. Tive muitas dificuldades e sempre encontrei o sustento da empresa e muita compreensão. Continuo a ter problemas, mas agora consigo lidar com eles. Sinto que cresci, vejo e valorizo o fruto do meu trabalho. Eu me sinto parte dessa grande família que é a Todo Brillo”, conclui Maria Elena Lopez.

Atualmente a empresa tem 600 funcionários e estamos presentes em todas as principais cidades do Paraguai».

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.