• Economia de Comunhão
    Pessoas e empresas que activam processos de comunhão. Ideias e práticas para a acção económica marcado pela reciprocidade e aceitação. Um espaço de diálogo e de ação para quem quer se comprometer com uma civilização mais fraterna, olhando para o mundo dos excluídos e das vítimas.scopri di più...
  • Relatório EdC 2018
    O Relatório EdC 2018 está finalmente disponível. Veja o vídeo e saiba mais com a ficha de informação aprofundada.scopri di più...
  • The Economy of Francesco
    scopri di più...

Economia di Comunione

Persone e imprese che attivano processi di comunione.

Idee e pratiche per un agire economico improntato alla reciprocità e all’accoglienza.

Un ambito di dialogo e di azione per chiunque voglia impegnarsi per una civiltà più fraterna guardando il mondo a partire dagli esclusi e dalle vittime.

SSF: A partir do diálogo fraterno, os recursos para os grandes desafios atuais

Paris: terminou a 90° sessão das Semanas Sociais Francesas (SSF) realizada na Unesco de 2 a 4 de outubro. A contribuição da Economia de Comunhão.

por Antonella Ferrucci

151003 Parigi SSF Unesco 01 ridAs semanas sociais francesas têm uma grande tradição: nascidas em 1904, desde sempre têm como objetivo tornar conhecido o pensamento social cristão e dar uma luz para as questões da sociedade: portanto, nessas semanas, a doutrina social da Igreja é aplicada aos problemas da época. O título desta edição, na qual participaram quase 2000 pessoas, era: “Religiões e culturas, recursos para imaginar o mundo”.  Os temas mais presentes, como pode-se prever dada a atualidade deles, eram os migrantes e o ambiente, colocados fortemente no foco da atenção do mundo pela recente encíclica do Papa Francisco Laudato Sì.

Todo o primeiro dia foi concentrado na situação de hoje referente a estes temas. O segundo dia foi dedicado completamente à contribuição que as religiões podem dar a estas emergências. A última jornada, enfim, foi toda voltada para a Encíclica Laudato Sì, que foi comentada com vários pontos de vista.

Luigino Bruni falou no segundo dia, sábado 3 de outubro, durante a Logo SSF 2015 ridmesa redonda que tinha como título: “Renovar a visão da globalização com as religiões”. A ideia era refletir sobre como imaginar juntos um mundo “finito” e comum num mundo com culturas diferentes e níveis de desenvolvimento muito desiguais. Três religiões, cristã, muçulmana e budista entraram em diálogo a partir dos respectivos textos ligados à criação.

Quem conversou com Luigino Bruni foi Cheikh Khaled Bentounes, muçulmano, guia espiritual da fraternidade sufi Alâwiyya (fundador dos escoteiros muçulmanos e entre os promotores do festival inter-religioso “Vivre Ensemble à Cannes” ) e Philippe Cornu, budista, presidente do Institut d'Études Bouddhiques. Pedimos a Anouk Grevin, que fazia a tradução simultânea de Luigino, para nos contar algo daquele momento tão especial: “Cada um dos que falaram citou um texto sobre a criação conforme a sua tradição religiosa, comentando e extraindo pontos realmente muito profundos, com uma escuta na sala muito atenta e intensa. No final, de forma inesperada, Luigino expôs algumas perguntas aos seus interlocutores e isto fez com que nascesse um denso e fraterno diálogo: 151003 Parigi SSF Unesco 02 riddecididamente um forte testemunho de diálogo inter-religioso dentro do qual nasceu estima recíproca e vinham em luz tantos pontos em comum dos respectivos pontos de vista. A conversa terminou com um abraço fraterno entre os três e com a explosão dos aplausos em toda a sala.

A palestra de Luigino Bruni, “Uma reflexão antropológica e econômica a partir dos primeiros capítulos do Gênesis”, tocou os temas da criação, da terra, da fraternidade; de Adão e Caim; de Noé e da Torre de Babel, trazendo-os para o dia de hoje. Luigino concluiu esta palestra dizendo: “Fora do Éden, no jardim da história, não encontraremos a nova língua de Adão voltando atrás ou encerrando a história dentro de torres de semelhantes; conseguiremos reencontrá-la somente caminhando seguindo uma voz, um arco-íris, uma estrela, um arameu errante. Hoje na Europa, em tempos de dilúvios financeiros e sociais, está voltando à tona a tentação de Babel. Mas também estão se multiplicando os Noés, que combatem os barcos da morte e os seus traficantes criando as arcas de salvação, em todos os níveis. Temos que continuar a abater as torres altas e a construir arcas para salvar e salvar-nos dos velhos e novos dilúvios. Mas, sobretudo, temos que salvar os filhos, os nossos filhos e filhas e os filhos de todos. É para eles a terra prometida.”

Veja a palestra completa de Luigino Bruni (em italiano)

Veja a Photogallery © Focolari-Alain Boudre

Siga-nos:

29-07-2020

A casa comum só pode se tornar mais humana e mais hospitaleira se a olharmos e pensarmos nela...

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

Aderir a EdC

Image
Opla
AMU
Eoc
aipec

quem está online?

Temos 562 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - info@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.