Mirada Global - 25/07/2011

Não é impossível. Atualmente a economia social e solidária no mundo já é a oitava economia do planeta. Isto é, não só existe e é relevante, ela é imprescindível.

A desigualdade, fruto da economia atual

por Alberto Barlocci

publicado em Mirada Global, dia 25/07/2011

logo_mirada_globalBuenos Aires / Economia – Aumentaram as pessoas muito ricas no planeta: hoje são quase 11 milhões. Nesta estatística são considerados todos os que dispõem de mais de 1 milhão de dólares em dinheiro, mas inclui também as pessoas com um patrimônio avaliado em mais de 30 milhões de dólares. O dado é paradoxal, sobretudo se o comparamos com outro em base ao qual para a ONU torna-se cada vez mais difícil conseguir o objetivo de reduzir a pobreza extrema no planeta em 15% para o ano de 2015.
 

Esta massa de ricos possui 42,7 bilhões de dólares, mais ou menos 140 vezes o PBI argentino.
 
Este montante é 10% a mais em relação a 2007. E isso apesar da crise financeira atual... Vivemos numa economia que continua produzindo desigualdades. A esta altura já é o principal problema, talvez antes mesmo que a pobreza.
 
Um mercado no qual ocorrem fortes desigualdades gera um círculo vicioso, porque os setores mais ricos, precisamente, com maior disponibilidade de dinheiro, determinam padrões de consumo em base a seus gostos. Por sua vez, esse padrão de consumo gera um padrão produtivo, isto é, a demanda dos mais ricos será determinante na produção de bens e serviços (automóveis caros, móveis e moradias de luxo, gêneros suntuosos, etc.) e finalmente isso determina um padrão de investimentos. Há um investimento sim, mas nessas atividades produtivas determinadas pela demanda dos mais ricos.
 
É precisamente o círculo vicioso que debe ser quebrado.
 
Assim como a desigualdade em certos casos é sistêmica, a igualdade também pode ser. Faz falta multiplicar empreendedores da sociedade civil que deem origem às empresas destinadas a superar a pobreza. Por exemplo, dando trabalho aos que forem eliminados do mercado; ou entidades como as do microcrédito fundado por M. Yunus, que financiam empreendimentos que ajudam a complementar a economia de famílias pobres; ou empresas como as de Economia de Comunhão, que geram utilidades com as quais ajudam os pobres.
 
Isto é, faz falta criar círculos virtuosos da economia. E que esses círculos envolvam como aliados tanto o Estado, como as empresas privadas e as da sociedade civil, cada uma destas realidades contribuindo com o que a outra não pode fazer.
 
Não é impossível. Atualmente a economia social e solidária no mundo já é a oitava economia do planeta. Isto é, não só existe e é relevante, ela é imprescindível.
_________
Alberto Barlocci. Diretor da revista Ciudad Nueva, www.ciudadnueva.org.ar

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.