No prefácio do livro «Potere e denaro» (Poder e dinheiro), editado por Michele Zanzucchi e pronto para ser publicado, o Papa Francisco ressalta a questão da responsabilidade do sistema financeiro pelas desigualdades do planeta

por Papa Francisco

publicado em Corriere della Sera, 11/04/2018

Papa FrancescoA economia é um componente vital para toda sociedade, determina em boa parte a qualidade do viver e até mesmo do morrer, ajuda a tornar digna ou indigna a existência humana. Portanto, ocupa um lugar importante na reflexão da Igreja, que olha para o homem e para a mulher como pessoas chamadas a colaborar com o plano de Deus também através do trabalho, da produção, da distribuição e do consumo de bens e serviços. Por isso, desde as primeiras semanas do pontificado, tive oportunidade de tratar questões referentes à pobreza e a riqueza, a justiça e a injustiça, as finanças saudáveis e as pervertidas.

Se olharmos hoje para a economia e para os mercados globais, um dado que emerge é a sua ambivalência. De um lado, nunca como nestes anos a economia permitiu a milhares de pessoas o encontro com o bem-estar, com os direitos, uma saúde melhor e muito mais. Contemporaneamente, a economia e os  mercados tiveram um papel na exploração excessiva dos recursos comuns, no aumento das desigualdades e no deterioramento do planeta. Portanto, uma sua avaliação ética e espiritual deve saber se mover nesta ambivalência, que surge em contextos sempre mais complexos.

O nosso mundo é capaz do melhor e do pior. Foi sempre assim, mas atualmente os meios técnicos e financeiros amplificaram as potencialidades do bem e do mal. Enquanto em algumas partes do planeta as pessoas se afundam na opulência, em outras não se tem o mínimo para sobreviver. Em minhas viagens pude ver esses contrastes mais do que me foi possível na Argentina. Vi o paradoxo de uma economia globalizada que poderia saciar a fome, curar e acolher todos os habitantes que povoam a nossa casa comum, mas que — como indicam algumas estatísticas preocupantes — concentra nas mãos de pouquíssimas pessoas a mesma riqueza que é a prerrogativa de cerca de metade da população mundial. Constatei que o capitalismo desenfreado das últimas décadas expandiu ainda mais o fosso que separa os mais ricos dos mais pobres, gerando novas precariedades e escravidões.

A atual concentração das riquezas é fruto, em grande parte, dos mecanismos do sistema financeiro. Olhando às finanças, vemos ainda que um sistema econômico baseado na proximidade, na época da globalização, encontra muitas dificuldades: as instituições financeiras e as empresas multinacionais alcançam dimensões tais que condicionam as economias locais, colocando os Estados sempre mais em dificuldades no trabalhar pelo bom desenvolvimento das populações. Além disso, a falta de regulamentação e de controles adequados  facilita o crescimento do capital especulativo, que não se interessa pelos investimentos produtivos a longo prazo, mas procura o lucro imediato.

Primeiramente como simples cristão, depois enquanto religioso e sacerdote, portanto enquanto papa, acredito que as questões sociais e econômicas não podem ser alheias à mensagPotere e denaro Zanzucchi ridem do Evangelho. Por isso, seguindo a linha dos meus antecessores, procuro colocar-me na escuta dos atores presentes na cena mundial, desde os trabalhadores até os empresários, os políticos, dando voz, de modo especial, aos pobres, aos descartados, a quem sofre. A Igreja, ao difundir a mensagem de caridade e justiça do Evangelho, não pode ficar em silêncio diante da injustiça e do sofrimento. Esta pode e quer se unir aos milhões de homens e mulheres que dizem não à injustiça de modo pacífico, trabalhando por uma maior igualdade. Onde quer que exista alguém que diga sim à vida, à justiça, à legalidade, à solidariedade. Muitos encontros me confirmam que o Evangelho não é uma utopia, mas uma esperança real, também para a economia: Deus não abandona as suas criaturas à mercê do mal. Pelo contrário, convida-as a não se cansar na colaboraração com todos para o bem comum.

Quanto digo e escrevo sobre o poder da economia e das finanças, quero que seja um apelo para que os pobres sejam tratados de forma melhor e as injustiças diminuam. De modo especial, constantemente peço que parem de lucrar com armas sob o risco de desencadear guerras que, além dos mortos e dos pobres, aumentam somente os fundos de poucos, fundos normalmente impessoais e maiores que os balanços dos Estados que os hospedam, fundos que prosperam no sangue inocente. (…) Existem certos nãos a serem ditos à mentalidade do descarte: é preciso evitar de uniformizar-se com o pensamento único, atuando corajosamente certas escolhas boas e contra a correnteza. Todos, como a Escritura ensina, podem se arrepender, se converter, torna-se testemunhas e profetas de um mundo mais justo e solidário (…).

O mundo criado, aos olhos de Deus é algo bom, o ser humano algo muito bom. (cf. Gen 1, 4-31). O pecado manchou e continua a manchar a bondade de origem, mas não pode cancelar a marca da imagem de Deus presente em cada homem. Portanto, não podemos perder a esperança: estamos vivendo uma época difícil, mas cheia de oportunidades, novas e inéditas. Não podemos desistir de acreditar que, com a ajuda de Deus e juntos — repito, juntos — é possível melhorar este nosso mundo e reanimar a esperança, a virtude talvez mais preciosa hoje. Se estivermos juntos, unidos no seu nome, o Senhor está em nosso meio conforme a sua promessa (cf. Mt 18, 20); portanto está conosco também em meio ao mundo, nas fábricas, nas empresas e nos bancos, assim como nas casas, nas favelas e nos campos de refugiados. Podemos e devemos esperar.

© Libreria Editrice Vaticana, 2018
(O texto é o prefácio do livro “Potere e Denaro. La giustizia sociale secondo Bergoglio”, editado por Michele Zanzucchi, Edições Città Nuova)

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Logo Prophetic economy 290 rid mod

Castelgandolfo (Roma), 2-4 de novembro de 2018 - informações 
Prophetic Economy in practice - Award 2018 - download info e form

Siga-nos:

facebook twitter vimeo icon youtubeicon flickr

EoC-IIN

Logo Eoc iin 01 rid rid

International Incubating Network

leia mais...

Relatório EdC 2016

Cover Edc44 EN modUm ano de vida EdC, estratégias e perspectivas para o futuro. 

 Ir para a versão online

ANPECOM: o site!

Aderir a EdC

EoC Companies crop banner rid modCadastre a sua empresa no novo site exclusivo: edc-info.org

Descubra mais...

Cidade Nova e EdC

pessoas edc003A revista Cidade Nova tem agora uma página dedicada à Economia de Comunhão, com relatos de pessoas envolvidas com o projeto.

Artigos já publicados:

Escola interamericana reunirá jovens empreendedores - 10/2015
A Aurora de uma nova cultura
- 09/2015
Comunhão e a crise grega - 08/2015
John Nash e a EdC
- 07/2015
Dado empresarial e a prática dos valores da empresa
- 06/2015
Nairóbi, capital de uma nova economia
- 05/2015
EdC e a qualidade do produto
- 04/2015
O lucro não monetário
 - 03/2015
Confiança e análise de risco - 02/2015
Economia e humanismo - 01/2015

As parteiras do Egito

Logo Levatrici d Egitto rid modO comentário do Êxodo, dos editoriais de domingo no Avvenire, por Luigino Bruni

O trabalho das mãos - 21/12/2014
O véu do profeta
 - 14/12/2014
As costas e o rosto de Deus
- 07/12/2014
O peso das palavras comuns - 30/11/2014
O bezerro de ouro - 23/11/2014
O sétimo dia
- 16/11/2014
Palavras do Céu, palavras da terra
- 09/11/2014
O decálogo
- 02/11/2014
As palavras da terra
- 26/10/2014
Os familiares do profeta
- 19/10/2014
A gratuidade-manã
- 12/10/2014
A dança de Miriam
- 05/10/2014
Os muros do mar
- 28/09/2014
A libertação e os ídolos
- 21/09/2014
Pragas e impérios invisíveis
- 14/09/2014
Capatazes leais
- 07/09/2014
O céu e as pirâmides
- 31/08/2014
A vocação de Moisés - 24/08/2014
O grito-oração
- 17/08/2014
As parteiras do Egito
- 10/08/2014

A árvore da vida

Logo Albero della vita rid modO comentário sobre o Gênesis, através dos editoriais de domingo no Avvenire, por Luigino Bruni

A morte de Jacob - 03/08/2014
O filho reencontrado
- 27/07/2014
A reconciliação
- 20/07/2014
O perdão de José
- 13/07/2014
Vacas magras e vacas gordas
- 06/07/2014
A lealdade de José
- 29/06/2014
Judá e Tamar
- 22/06/2014
José, o sonhador
- 14/06/2014
A morte de Isaac - 08/06/2014
Dina, A Vingança e a Gratidão - 01/06/2014
Ferida e benção - 25/05/2014
A carestia de fundamento - 18/05/2014
O sonho e a vocação - 11/05/2014
Esaú e Jacob/Jacó - 04/05/2014
O 1º contrato - 27/04/2014
Isaac - 20/04/2014
Agar - 13/04/2014
Abraão - 06/04/2014 
Babel - 30/03/2014
Noé - 23/03/2014 
Caim e Abel - 16/03/2014 
A serpente - 09/03/2014
Troca de olhares - 02/03/2014 
Adam - 23/02/2014
A árvore da vida - 16/02/2014

O novo léxico do bom viver social


Logo nuovo lessico rid modAs "palavras" do Novo Léxico, dos editoriais dominicais em Avvenire por Luigino Bruni

Comunhão - 09/02/2014
Instituições
- 02/02/2014
Comunidade
- 26/01/2014
Tempo - 19-01-2014
Mansidão - 12/01/2014
Economia - 05/01/2014
Consumo - 29/12/2013 
Carismas - 22/12/2013 
Inovação - 15/12/2013 
Mercado - 08/12/2013
Bens comuns - 01/12/2013
Cooperação - 24/11/2013
Bens de experiência - 17/11/2013
Ponto crítico - 10/11/2013
Capitais - 03/11/2013
Pobreza - 27/10/2013
Bens relacionais - 20/10/2013
Bens  - 13/10/2013
Riqueza - 06/10/2013
Novo léxico - 29/09/2013

Ver versão online

O dado das empresas

Logo cube IT 150

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

Linhas para a gestão de uma empresa de EdC

Binari_rid_modA Economia de Comunhão propõe às organizações produtivas que fazem própria a sua mensagem e a sua cultura, as “Linhas para a gestão de uma empresa”, escritas à luz da vida e da reflexão de milhares de empresários e trabalhadores...
Leia mais...

As tirinhas de Formy!

Ecco Formy rid mod

Conheces a mascote do site Edc?
Leia mais...

A economia da partilha

Chiara_Lubich_1Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista,
baseada numa cultura do ter,
a economia de comunhão é
economia da partilha...

Leia mais...

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.