No prefácio do livro «Potere e denaro» (Poder e dinheiro), editado por Michele Zanzucchi e pronto para ser publicado, o Papa Francisco ressalta a questão da responsabilidade do sistema financeiro pelas desigualdades do planeta

por Papa Francisco

publicado em Corriere della Sera, 11/04/2018

Papa FrancescoA economia é um componente vital para toda sociedade, determina em boa parte a qualidade do viver e até mesmo do morrer, ajuda a tornar digna ou indigna a existência humana. Portanto, ocupa um lugar importante na reflexão da Igreja, que olha para o homem e para a mulher como pessoas chamadas a colaborar com o plano de Deus também através do trabalho, da produção, da distribuição e do consumo de bens e serviços. Por isso, desde as primeiras semanas do pontificado, tive oportunidade de tratar questões referentes à pobreza e a riqueza, a justiça e a injustiça, as finanças saudáveis e as pervertidas.

Se olharmos hoje para a economia e para os mercados globais, um dado que emerge é a sua ambivalência. De um lado, nunca como nestes anos a economia permitiu a milhares de pessoas o encontro com o bem-estar, com os direitos, uma saúde melhor e muito mais. Contemporaneamente, a economia e os  mercados tiveram um papel na exploração excessiva dos recursos comuns, no aumento das desigualdades e no deterioramento do planeta. Portanto, uma sua avaliação ética e espiritual deve saber se mover nesta ambivalência, que surge em contextos sempre mais complexos.

O nosso mundo é capaz do melhor e do pior. Foi sempre assim, mas atualmente os meios técnicos e financeiros amplificaram as potencialidades do bem e do mal. Enquanto em algumas partes do planeta as pessoas se afundam na opulência, em outras não se tem o mínimo para sobreviver. Em minhas viagens pude ver esses contrastes mais do que me foi possível na Argentina. Vi o paradoxo de uma economia globalizada que poderia saciar a fome, curar e acolher todos os habitantes que povoam a nossa casa comum, mas que — como indicam algumas estatísticas preocupantes — concentra nas mãos de pouquíssimas pessoas a mesma riqueza que é a prerrogativa de cerca de metade da população mundial. Constatei que o capitalismo desenfreado das últimas décadas expandiu ainda mais o fosso que separa os mais ricos dos mais pobres, gerando novas precariedades e escravidões.

A atual concentração das riquezas é fruto, em grande parte, dos mecanismos do sistema financeiro. Olhando às finanças, vemos ainda que um sistema econômico baseado na proximidade, na época da globalização, encontra muitas dificuldades: as instituições financeiras e as empresas multinacionais alcançam dimensões tais que condicionam as economias locais, colocando os Estados sempre mais em dificuldades no trabalhar pelo bom desenvolvimento das populações. Além disso, a falta de regulamentação e de controles adequados  facilita o crescimento do capital especulativo, que não se interessa pelos investimentos produtivos a longo prazo, mas procura o lucro imediato.

Primeiramente como simples cristão, depois enquanto religioso e sacerdote, portanto enquanto papa, acredito que as questões sociais e econômicas não podem ser alheias à mensagPotere e denaro Zanzucchi ridem do Evangelho. Por isso, seguindo a linha dos meus antecessores, procuro colocar-me na escuta dos atores presentes na cena mundial, desde os trabalhadores até os empresários, os políticos, dando voz, de modo especial, aos pobres, aos descartados, a quem sofre. A Igreja, ao difundir a mensagem de caridade e justiça do Evangelho, não pode ficar em silêncio diante da injustiça e do sofrimento. Esta pode e quer se unir aos milhões de homens e mulheres que dizem não à injustiça de modo pacífico, trabalhando por uma maior igualdade. Onde quer que exista alguém que diga sim à vida, à justiça, à legalidade, à solidariedade. Muitos encontros me confirmam que o Evangelho não é uma utopia, mas uma esperança real, também para a economia: Deus não abandona as suas criaturas à mercê do mal. Pelo contrário, convida-as a não se cansar na colaboraração com todos para o bem comum.

Quanto digo e escrevo sobre o poder da economia e das finanças, quero que seja um apelo para que os pobres sejam tratados de forma melhor e as injustiças diminuam. De modo especial, constantemente peço que parem de lucrar com armas sob o risco de desencadear guerras que, além dos mortos e dos pobres, aumentam somente os fundos de poucos, fundos normalmente impessoais e maiores que os balanços dos Estados que os hospedam, fundos que prosperam no sangue inocente. (…) Existem certos nãos a serem ditos à mentalidade do descarte: é preciso evitar de uniformizar-se com o pensamento único, atuando corajosamente certas escolhas boas e contra a correnteza. Todos, como a Escritura ensina, podem se arrepender, se converter, torna-se testemunhas e profetas de um mundo mais justo e solidário (…).

O mundo criado, aos olhos de Deus é algo bom, o ser humano algo muito bom. (cf. Gen 1, 4-31). O pecado manchou e continua a manchar a bondade de origem, mas não pode cancelar a marca da imagem de Deus presente em cada homem. Portanto, não podemos perder a esperança: estamos vivendo uma época difícil, mas cheia de oportunidades, novas e inéditas. Não podemos desistir de acreditar que, com a ajuda de Deus e juntos — repito, juntos — é possível melhorar este nosso mundo e reanimar a esperança, a virtude talvez mais preciosa hoje. Se estivermos juntos, unidos no seu nome, o Senhor está em nosso meio conforme a sua promessa (cf. Mt 18, 20); portanto está conosco também em meio ao mundo, nas fábricas, nas empresas e nos bancos, assim como nas casas, nas favelas e nos campos de refugiados. Podemos e devemos esperar.

© Libreria Editrice Vaticana, 2018
(O texto é o prefácio do livro “Potere e Denaro. La giustizia sociale secondo Bergoglio”, editado por Michele Zanzucchi, Edições Città Nuova)

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Relatório EdC 2017

Conheça o novo site da Anpecom

NOVO SITE banner 1

O novo site da Anpecom acaba de sair do forno!
Acesse e conheça: www.anpecom.com.br

Siga-nos:

facebook twitter vimeo icon youtubeicon flickr

Logo Prophetic economy 290 rid mod

 Castelgandolfo (Roma)
2-4 de novembro de 2018
mais informações

Locandina inglese 01 rid mod

EoC-IIN

Logo Eoc iin 01 rid rid

International Incubating Network

leia mais...

Relatório EdC 2016

Cover Edc44 EN modUm ano de vida EdC, estratégias e perspectivas para o futuro. 

 Ir para a versão online

Aderir a EdC

EoC Companies crop banner rid modCadastre a sua empresa no novo site exclusivo: edc-info.org

Descubra mais...

Cidade Nova e EdC

pessoas edc003A revista Cidade Nova tem agora uma página dedicada à Economia de Comunhão, com relatos de pessoas envolvidas com o projeto.

Artigos já publicados:

Escola interamericana reunirá jovens empreendedores - 10/2015
A Aurora de uma nova cultura
- 09/2015
Comunhão e a crise grega - 08/2015
John Nash e a EdC
- 07/2015
Dado empresarial e a prática dos valores da empresa
- 06/2015
Nairóbi, capital de uma nova economia
- 05/2015
EdC e a qualidade do produto
- 04/2015
O lucro não monetário
 - 03/2015
Confiança e análise de risco - 02/2015
Economia e humanismo - 01/2015

As parteiras do Egito

Logo Levatrici d Egitto rid modO comentário do Êxodo, dos editoriais de domingo no Avvenire, por Luigino Bruni

O trabalho das mãos - 21/12/2014
O véu do profeta
 - 14/12/2014
As costas e o rosto de Deus
- 07/12/2014
O peso das palavras comuns - 30/11/2014
O bezerro de ouro - 23/11/2014
O sétimo dia
- 16/11/2014
Palavras do Céu, palavras da terra
- 09/11/2014
O decálogo
- 02/11/2014
As palavras da terra
- 26/10/2014
Os familiares do profeta
- 19/10/2014
A gratuidade-manã
- 12/10/2014
A dança de Miriam
- 05/10/2014
Os muros do mar
- 28/09/2014
A libertação e os ídolos
- 21/09/2014
Pragas e impérios invisíveis
- 14/09/2014
Capatazes leais
- 07/09/2014
O céu e as pirâmides
- 31/08/2014
A vocação de Moisés - 24/08/2014
O grito-oração
- 17/08/2014
As parteiras do Egito
- 10/08/2014

A árvore da vida

Logo Albero della vita rid modO comentário sobre o Gênesis, através dos editoriais de domingo no Avvenire, por Luigino Bruni

A morte de Jacob - 03/08/2014
O filho reencontrado
- 27/07/2014
A reconciliação
- 20/07/2014
O perdão de José
- 13/07/2014
Vacas magras e vacas gordas
- 06/07/2014
A lealdade de José
- 29/06/2014
Judá e Tamar
- 22/06/2014
José, o sonhador
- 14/06/2014
A morte de Isaac - 08/06/2014
Dina, A Vingança e a Gratidão - 01/06/2014
Ferida e benção - 25/05/2014
A carestia de fundamento - 18/05/2014
O sonho e a vocação - 11/05/2014
Esaú e Jacob/Jacó - 04/05/2014
O 1º contrato - 27/04/2014
Isaac - 20/04/2014
Agar - 13/04/2014
Abraão - 06/04/2014 
Babel - 30/03/2014
Noé - 23/03/2014 
Caim e Abel - 16/03/2014 
A serpente - 09/03/2014
Troca de olhares - 02/03/2014 
Adam - 23/02/2014
A árvore da vida - 16/02/2014

O novo léxico do bom viver social


Logo nuovo lessico rid modAs "palavras" do Novo Léxico, dos editoriais dominicais em Avvenire por Luigino Bruni

Comunhão - 09/02/2014
Instituições
- 02/02/2014
Comunidade
- 26/01/2014
Tempo - 19-01-2014
Mansidão - 12/01/2014
Economia - 05/01/2014
Consumo - 29/12/2013 
Carismas - 22/12/2013 
Inovação - 15/12/2013 
Mercado - 08/12/2013
Bens comuns - 01/12/2013
Cooperação - 24/11/2013
Bens de experiência - 17/11/2013
Ponto crítico - 10/11/2013
Capitais - 03/11/2013
Pobreza - 27/10/2013
Bens relacionais - 20/10/2013
Bens  - 13/10/2013
Riqueza - 06/10/2013
Novo léxico - 29/09/2013

Ver versão online

O dado das empresas

Logo cube IT 150

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

Linhas para a gestão de uma empresa de EdC

Binari_rid_modA Economia de Comunhão propõe às organizações produtivas que fazem própria a sua mensagem e a sua cultura, as “Linhas para a gestão de uma empresa”, escritas à luz da vida e da reflexão de milhares de empresários e trabalhadores...
Leia mais...

As tirinhas de Formy!

Ecco Formy rid mod

Conheces a mascote do site Edc?
Leia mais...

A economia da partilha

Chiara_Lubich_1Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista,
baseada numa cultura do ter,
a economia de comunhão é
economia da partilha...

Leia mais...

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.